04 setembro 2009

Coisa de Gordo - 444


444 – QUEM QUER SER UM MILIONÁRIO? Às vezes a gente duvida da premiação do Oscar, achando que os caras foram muito políticos, ou sacanas, coisas assim. Quando saiu a última premiação dando a este filme QUEM QUER SER UM MILIONÁRIO como o vencedor, tive essa sensação. Essa academia....estão querendo abrir espaço dentro do mercado cinematográfico gigantesco dos indianos. Isso na época eu pensei.
Até que fomos ver o filme no DVD. Impressionante.
Já nas primeiras tomadas o diretor já diz a que vem. Lança o espectador num vaivém temporal, narrando a história em três tempos distintos.
Por força disso, a trama do filme que já é bem conhecida mostra um rapaz que participa de uma espécie de Show do Milhão ( do Silvio Santos), um programa televisivo onde ele vai respondendo perguntas e passando de fazes, dirigindo-se ao prêmio máximo em dinheiro.
Diante de nossos olhos são mostradas então três histórias, cada uma no seu tempo. Numa delas, vemos a infância sofrida do rapaz, Jamal Malik, nas favelas e periferias urbanas de Mombai. Ou qualquer outra grande metrópole indiana.
Se você quer saber um pouco da índia, conhecer suas tradições, seu povo, sua cultura, não se prenda apenas nessa novelinha das oito que a Globo exibe. Vá um pouco mais adiante. Mergulhe em imagens mais marcantes, mais profundas, mais tristes e fortes. Veja esse filme.
Faço um paralelo com a nossa brasilidade e imagino que um estrangeiro poderia dizer a mesma coisa do Brasil, alegando que quem quisesse conhecer este país não deveria ver o SE EU FOSSE VOCÊ com o Tony Ramos, mas deveria isso sim ver o TROPA DE ELITE. Pode ser....pode ser... seria uma troca justa.
O relato do filme vencedor do Oscar remonta à infância de Jamal Malik, desde o momento em que ele passa a ser uma espécie de “menor abandonado”. Na verdade ele é um abandonado do destino. Todas as adversidades lhe sobrevirão. O guri anda e tropeça, anda e é derrubado, anda de novo e é atropelado. E não obstante isso, mantém sempre uma confiança impressionante no futuro. Levanta a cabeça e vai em frente. Para cair de novo. Não bastassem as agruras do meio circundante, vez que outra ele ainda tem que lidar com a traição de pessoas próximas.
E o relato é envolvente, o vaivém do tempo é ágil e prende o espectador. Assim, sem ter ido a escola, sem ter tido família, o nosso herói acaba encontrando algumas das respostas às perguntas que lhe são feitas no tal Show de TV justamente na sua trajetória de vida. É engraçado que por vezes, ao escutar a pergunta, ele esboça um sorriso de estupefação, uma quase alegria, por lembrar de alguma coisa do passado que o vai salva naquela hora.
A expressividade desse ator que faz o Jamal é emocionante. O nome dele é Dev Patel e em cenas mais fortes ele sequer precisa falar, apenas suas feições dão a dramaticidade da cena. Aula de interpretação.
O ator infantil que o representa também é muito bom, o nome é um pouquinho mais complicado, o guri se chama Ayush Mahesh Khedekar.
A fotografia do filme é linda, e isso você já saberá nos primeiros cinco segundos de exibição. A índia tem suas cores fortes e dramáticas e isso foi bem, na verdade, muito bem retratado nas imagens desse instigante filme.
Filmaço. Nota: DEZ!
Vá correndo até a locadora.
Silvano – o impossível


FICHA TÉCNICA
título original:Slumdog Millionaire
gênero:Drama
duração:02 hs 00 min
ano de lançamento:2008
site oficial:http://www.quemquerserummilionario.com.br/
direção: Danny Boyle
roteiro:Simon Beaufoy, baseado em livro de Vikas Swarup
fotografia:Anthony Dod Mantle



LIVRO, LIVRO, LIVRO..(lá vem ele)..
Não tem como não comentar o lançamento do livro FAMÍLIA FRENTE & VERSO aqui na cidade de Santo Antônio. Foi na noite de ontem, no Espaço Cultural Qorpo Santo. Meu co-autor, Jerri Almeida, veio da cidade de Osório com a esposa para o evento. No momento inicial, fizemos uma palestra ao público presente, versando sobre o tema do livro. O público carinhoso nos prestigiou e fez valer a pena. No momento seguinte fomos para a sala Gecy Luz, onde fizemos a noite de autógrafos. Emocionante! Não pensei que viesse a passar por isso em minha vida. A gente semeia tão pouco, dá migalhas às pessoas no nosso dia-a-dia e então na hora da colheita essas mesmas pessoas nos dão coisas tão mais fortes e belas que dá vontade de chorar. Lindo, emocionante. Sendo pouco original, diria a todos que nos foram prestigiar....SEM PALAVRAS!


DEPOIS DO EVENTO...
...fomos até um “point” novo aqui da cidade para festejar. O nome do lugar é MEIA, MEIA, DOIS. Lá comemos uma coisinha tão deliciosa, mas tão deliciosa....só que isso é assunto prá outra postagem. Aguarde, portanto, porque...(citando o Anonymous Goumet)...VOLTAREMOS!


04/09/2009

4 comentários:

Cássia Baby disse...

Quanto ao lançamento do livro, fui, em primeiro lugar, pela tua pessoa.
Mas confesso que saí de lá emocionada, tanto pelas palestras quanto pela união destas duas pessoas que parecem tão diferentes - Silvano e Jerri - e conseguiram passar uma idéia tão coesa, quase uma só. É mesmo um projeto a quatro mãos que trabalharam unidas.
Estão de parabéns, apesar de eu ainda estar só no começo do livro...voltarei para mais coments.
Quanto ao filme, impossível falar, me deixou com o coração vazio, quase parado. Lindo.

Anônimo disse...

E lá vou eu à cata do filme ... Este é o meu espaço de "dicas quentes" - seguidamente vou atrás.
Rosalva

Anônimo disse...

Caríssimo Doutor.

Assisti ao filme indicado no domingo último e tive a mesma sensação impactante. As imagens entram na gente. Os olhos daquelas crianças falam muito mais que a boca. Em relação aos atores não tenho o que comentar. Como diria o Padre Ermelindo, na época que eu era escoteiro: IMPECÁVEL. Andei olhando as avaliações deste filme em alguns site que uso pra me "aconselhar", mas acho que o pessoal é exigente demais. Continuamos na espreita. Um forte abraço.

Conrado Ramos Caletti

CLAUDETE disse...

Silvano,boa noite!
Em primeiro lugar quero cumprimentá-lo pelo lançamento do livro!Fiquei muito orgulhosa em ver o escritor das crônicas deliciosas do site,onde o conheci,lançando o seu primeiro de muitos livros.Parabéns!
Quanto ao filme,achei os atôres surpreendentes,embora assista muitos filmes indianos e eles são bons mesmo!
Quanto a história,achei que carregaram muito nas tintas e esperava mais...
Gostei muito mais do"Caçador de Pipas"que também retrata uma realidade bem crua,mas com mais sutileza,mesclando a miséria com a esperança.
Abraços
Claudete