31 dezembro 2008

Coisa de Gordo - 409


409 – HÁ VIDA FORA DOS SHOPPINGS
Os dias violentos e os tempos turbulentos em que vivemos meio que nos empurraram para dentro de certos lugares, supostamente mais seguros. Por força disso, temos ficado mais dentro de nossas casas, só vamos na Academia de carro, caminhar até lá nem pensar. E passamos a comprar em Shoppings. E comprar muito em Shoppings. Esquecendo que dá para sair dali.
Nesses dias de feriado do Natal, estando na capital porto-alegrense, nos dedicamos a fazer coisa que só turista faz. Isso mesmo, a gente que já morou naquela bela cidade, e que está sempre indo lá, perde de aproveitar certas coisas que paulista e baiano talvez já conheçam. Faz um tempo, a Prefeitura instituiu o Passeio Turístico pela capital, num daqueles ônibus de dois andares, sendo o de cima aberto. Na manhã do dia 26 de dezembro, dia supostamente útil, nos besuntamos com protetor solar, colocamos bonés e máquinas fotográficas. Por cautela, telefonamos para agendar o passeio, ao que fomos informados pelo atendente que o ônibus estava estragado. Puxa... no meio do feriado...estragado?? Nos pareceu mais uma greve branca, acho que os funcionários se deram o feriado. Daqui a dois dias talvez tentemos repetir o feito. Se estiver estragado DE NOVO, bom aí tá confirmado. É corpo mole dos funcionários.
Sem poder fazer o passeio, mas longe de nos deixar abater, fomos em comitiva ao MERCADO PÚBLICO de Porto Alegre.
Ponto mais tradicional da cidade, verdadeira testemunha da história da cidade, o Mercado tem em si as marcas do tempo, as lágrimas, os sorrisos, as dores que por ali passaram. Ao adentrarem-se aquelas portas, percebe-se que ali há mais coisa do que os olhos conseguem enxergar. O Mercado Público é vivo, ele pulsa, tem alma.
Num espaço não tão grande (se comparado ao ocupado pelos Shoppings), o Mercado oferece inúmeras possibilidades. As bancas nos levam a um passeio de cores, cheiros, barulhos que só lá se consegue sentir, ver, escutar. Há temperos, iguarias, frios, carnes, farinhas, literalmente os secos e molhados. Fomos até a Banca do Holandês comprar um peso de Mortadela Ceratti fatiada. Deliciosa, saborosa, as fatias bem fininhas. Vinda de São Paulo, essa mortadela merece uma página deste blog só para si. Voltarei a ela, portanto. Depois compramos um charque lasqueado, muzzarela de búfala, o pessoal se diversificou comprando peixe e outras coisas.
Num ritual inevitável, sentamos nas mesinhas seculares da Banca 40, para sorver Salada de Fruta com Sorvete. Sucos de frutas. Bomba Royal. E aqueles copos de água que eles servem na “bica”. Imperdível!
Subindo a escada rolante (sim, lá tem isso também) a gente tem diante dos olhos uma infinidade de restaurantes, cafés, etc. Vimos um que serve Doces de Pelotas, vimos um Restaurante japonês, outro com Bufê comercial. Nas mesas de mármore, as taças de chopp bem gelado. Nos corredores, venda de LPs (discos de vinil) antigos. E tem dias em que há feira de Revistas de Quadrinhos.
Só isso? Claro que não, tem muito mais!
Enfim, há vida sim fora dos shopings, e vida alegre, agitada, diferente, charmosa, misteriosa e sensacional. Numa hora dessas, mude de caminho. Mergulhe nesta singular viagem.
Silvano – inebriado


ÚLTIMA DO ANO
Sim, mais um ano se acaba. Parabéns a nós todos que aqui permanecemos. Vivos. Um desejo de um 2009 estupendo. Com muita bobagem e cultura inútil. Muita abobrinha e diversão. Muito filme e DVD. Onde você terá tudo isso? Aqui, óbvio! Apareça, caro leitor. Apareça...


MAS VEM CÁ.....
...esse troço sai sempre às quintas. Aí a coisa andou atrasando e saiu num sábado. Agora pula para antes, na quarta? Calma, é que amanhã já é 2009 e queria deixar a postagem de semana ainda em 2008.


31/12/2008

28 dezembro 2008

Leitor ressuscita as Corujas


Querido Silvano, você deve se lembrar do episódio "Show Pirotécnico x Corujas nas Dunas" há uns dois, três anos atrás em Capão da Canoa. Virou manchete nos noticiários locais e nacionais. Duraram semanas as reportagens e debates sobre o assunto.
Este final de semana passei por lá, um espaço delimitado por uma faixa amarela e preta, uma placa identificando a espécie e outra proibindo a entrada. E sobre uma delas, ...uma coruja pousada.
Fiquei olhando a poucos metros e sou capaz de jurar que o animalzinho me dispensou apenas uma pequena e rápida mirada, com aquele ar de altivez que só as corujas possuem.
Na época dividiram-se opiniões, surgiram os mais elocubrativos argumentos de todos os lados incluindo defesa civil, prefeitura municipal, Ministério Público, moradores, turistas, ecologistas e, ....até quem não tinha sequer opinião formada a respeito. (Até você ganhou pedradas! rsrsrsr)
Grande parte dos que se opuseram às corujas defendeu o exagero da proteção enquanto não se observava o mesmo movimento em defesa das crianças de rua, excluídos sociais, etc...
Estes demonstraram maior desconhecimento das inúmeras ações e projetos sociais governamentais e não-governamentais destinados à população carente e maior desconhecimento ainda da quase inexistência de projetos destinados à preservação das espécies e ao meio ambiente.
Na época, sabendo que elas estavam judicialmente protegidas, inclusive com policiamento ostensivo, não participei dos debates por considerá-los sensacionalistas. Fiquei apenas esperando que nascessem os filhotes.
Bueno, este reveillon, antes da meia noite, quero levar meus sobrinhos para mostrar as corujas que lá continuam (afinal, eles só conhecem corujas pelos filmes do Harry Potter). E mesmo que, com aquele certo ar de desdém característico da espécie, sequer nos dispensem uma mirada, vamos desejar mais um "Feliz Ano Novo".
Abraços
Edimílson

25 dezembro 2008

Coisa de Gordo - 408


408- FELIZ NATAL
Pronto. Passou. Se você está lendo este texto é porque resistiu ao tsunami do Natal. Passou a grande onda e você está vivo. Respirando. Sim, o Natal, virou isso, uma grande onda. Ninguém escapa aos seus efeitos. O comércio fica enlouquecido, as estradas ficam cheias, os Shoppings fervilham, as ruas das capitais pulsam. Tudo isso converge para um ponto, um momento, um ápice: - a noite de Natal! Aquele pedacinho de tempo situado ali, das 21horas do dia 24 de dezembro até as 03:00h da madrugada do 25.
Você correu, se preparou, se muniu, se armou e enfim foi para a batalha. O calor insuportável, a roupa bonita (mas quente) e um pouco apertada, tudo isso compôs o cenário do campo de luta. Para amenizar o combate, o delicioso cheiro de Chester Assado, a bebida bem gelada e as rodelas de abacaxi vigiando o Lombo de Porco Assado. Para completar, o alarido das crianças, os presentes sendo vorazmente consumidos, os papéis jogados pela sala, os brinquedos competindo em inovação e tecnologia.
Sim, você sobreviveu ao Natal. Na mão esquerda o copo cheio e na mão direita a sacola com os presentes que recebeu. Mais um ano passou e você sobreviveu ao Natal.
Fazendo uma breve análise, você verifica se falhou com o presente de alguém, se alguma roupa dos afilhados não serviu, pondera a quantia de bebida servida, lembra das primeiras cervejas meio quentes e das últimas já meio congeladas. Lembra da correria até a confeitaria em busca das guloseimas, a Torta que você achou que fosse desandar por causa do calor. Lembra dos empanados que foram tão caros e agora estão todos ali, na mesa, sem que ninguém os tenha apreciado.
Silente, sua mente controladora já planejou o que vai fazer com as sobras, afinal tem o almoço do dia 25, mas tem outra festa daqui a uma semana. E cerveja é coisa que dá para aproveitar. Panetone também. E até os tais empanados, se forem congelados e adequadamente temperados na hora do degelo, podem sim ser re-oferecidos. Até porque, o público do Réveillon será outro, o outro lado da família, os outros amigos, e eles não saberão que aquelas gororobas já tinham estado na mesa do Natal.
Se pudesse você faria uma lista com erros e acertos para que no Natal de 2009 você consiga se esmerar ainda mais e enfim ficar satisfeito(a) com mais um Natal.
Respire fundo. Cuide para não melar o DVD da Madonna que você recebeu com suas mãos ainda cansadas da comezaina. Você sobreviveu a outro Natal! Tanta gente que morreu na estrada, na enchente, na UTI, na sala de casa, no elevador, na fila da cirurgia do SUS. Mas você, não. Você sobreviveu a mais este Natal!
Pronto. Ponha os presentes em local seco e seguro. Não se incomode se ainda não sabe mexer no I-phone que ele(a) lhe deu. Você tem um ano para aprender! Tome de um copão cheio de gelo, complete até a borda com Coca-light, ligue o ar condicionado da sala, sorva a bebida e lembre disso. Você é um vitorioso. Você passou por mais esta prova!
Parabéns!
Ah, sim, já ia esquecendo. Antes de sentar de novo na mesa para comer, faça um brinde e lembre do aniversariante. Quem? Ele mesmo. O tal Jesus. O cara que bolou toda esta coisa de árvores, renas, fitinhas vermelhas, amigos-secretos, perus temperados, champanhes e engovs. Não foi ele? Ah, mas poderia ter sido. Lembre dele!
Um Feliz Natal!
Silvano – a um passo da eternidade


25/12/2008

23 dezembro 2008

Um filme: Queime Depois de Ler


Esses Irmãos Cohen.. quando a gente pensa que já viu tudo, eles vêm com outra preciosidade. Partindo da clássica frase de filmes de espionagem, nos quais o Mocinho recebia as instruções de sua missão e depois tinha que queimá-las para não revelar o conteúdo, os diretores-roteiristas nos levam a um passeio divertido. Ironicamente, o que menos têm neste filme são missões secretas, códigos e senhas. Na verdade, os personagens são envolvidos numa série de confusões e mal-entendidos, o que constitui a trama do filme. Há curiosidades imperdíveis. Os galãs Brad Pitt e George Clooney, completamente desglamurizados, encarnam personagens os mais estranhos, coisa difícil de se ver na filmografia deles. As mulheres do filme são rápidas, ágeis, fortes, determinadas, quase cruéis. Aos trancos e barrancos, são elas que desencadeiam a maior parte das confusões.
Os diálogos com o chefe da CIA são antológicos! Coisa para se gravar e deixar para a posteridade!
Mais detalhes não dou que é para não tirar a graça!
Nota 8,0!
Irmãos Cohen de carteirinha! Filme imperdível! Diversão garantida.
Por enquanto está no cinema. Vimos no Bourbon Country de Porto Alegre, no Unibanco Arteplex.
Silvano – depois de ler esta resenha, não queime seu computador. O culpado não é ele, é o Silvano


Ficha Técnica
Título Original: Burn After Reading
Gênero: Comédia
Tempo de Duração: 96 minutos
Ano de Lançamento (EUA / Inglaterra / França): 2008
Site Oficial: http://www.burnafterreading.com/
Direção: Joel Coen e Ethan Coen
Roteiro: Joel Coen e Ethan Coen

Elenco
George Clooney (Harry Pfarrer)
Frances McDormand (Linda Litzke)
John Malkovich (Osbourne Cox)
Tilda Swinton (Katie Cox)
Brad Pitt (Chad Feldheimer)
Richard Jenkins (Ted Treffon)
Elizabeth Marvel (Sandy Pfarrer)

20 dezembro 2008

Coisa de Gordo - 407


CG 407 – MAGRO QUE IRRITA
Há personagens do cotidiano que eventualmente invadem as páginas dos textos, momento no qual são descritos em prosa e verso. Já comentei neste espaço a expressão “Come e não Engorda” que o Luis Fernando Veríssimo cunhou anos atrás, aludindo àquele infeliz que come três vezes mais que você mas cujo número da calça é quase a metade do seu. Este é só um exemplo, haveria muitos outros a citar. Já cunhei eu mesmo o famoso TRANCA FILA, aquele outro fariseu que, na fila do Bufê, retarda todo o andamento do almoço por causa de uma folha de alface. E vira, e revira a alface, e nada de andar, e a fila ali, atrás dele, suspirando.
Trago hoje ao vosso exame mais um desses folclóricos seres da vida diária. Hoje falarei do MAGRO QUE IRRITA. Daqui por diante, citado no texto pela sigla MQI.
Estávamos no local de trabalho, alguém farejou que no segundo andar estava rolando um convescote, um rápido coquetel em que havia salgadinhos, docinhos, tortas, etc. Uma colega nossa, infelizmente magra, ofereceu-se para ir até lá buscar uns docinhos. Ela disse exatamente isso: - Vou lá buscar uns docinhos. Minutos passados, ela volta de mãos abanando e sentencia: - Os docinhos tinham acabado. Só sobrou salgadinhos e uma tortas. Não trouxe nada! Quase matamos a mulher. Isso é uma demonstração de MQI.
O MQI não nasceu magro apenas nesta vida. Nada disso. Ele fez uma regressão a vidas passadas e descobriu que sua encarnação mais “gorda” foi como trapezista num circo italiano. Fora essa, desde o tempo das pirâmides ele veio nascendo com aquela estatura franzina.
O MQI tem um IMC baixo, em geral em torno de 16 ou 17. O tamanho de suas roupas gira em torno do 38, máximo de 40. Você encontrará exemplares do MQI em todos os sexos, ele não tem predileção de gênero.
Dentro da área médica, o MQI tende a fazer a especialidade de Endocrinologia. Não que não existam endocrinologistas normais ou mesmo gordos. Mas se o estudante de medicina é um MQI ele se interessa pelo estudo das glândulas e dos hormônios. E passa e sentar olhos sobre os males que afligem a humanidade de hoje, a obesidade e o PT (desculpa, não resisti à piada – tomara não tenha perdido amigos). E ali, no sair do curso médico, o MQI dedica-se a fazer sua especialização justamente nesta área. E doravante, em sua labuta diária, ele vai conviver com gordos que o buscam para saber como emagrecer. E na hora da entrevista médica, após o pobre paciente ter delineado toda a sua maratona alimentar diária, o MQI largará sua caneta, tirará o óculos do rosto e lançará aquele olhar de desdém. Feito isso, ele emitirá um longo suspiro, seguido de uma pergunta irritante. Por isso o nome dele é Magro que Irrita. Diz ele: - Por que você tem esta mania de comer arroz junto com lasanha?
Impressionante a crueldade do MQI ! Ele por vezes não mede suas palavras.
Você trabalha numa empresa de comércio, nesta época do ano os pedidos se avolumam, as turmas de trabalho se revezam fazendo turnos. Lá pelas tantas você tem um intervalinho, reúne seu grupo de trabalho e pergunta: - E aí, vamos almoçar pastel ou churrasquinho? Antes que alguém responda, o MQI do grupo se adianta e sacramenta: - Prá que almoçar? A gente podia jogar uma canastra ou mesmo dar uma sesteadinha. O grupo todo silencia ao redor dele, um dos gordos mais exaltados se aproxima para tentar dar uma chave de braço, mas é contido pelos outros. A rodinha se dissipa, cada um vai buscar seu próprio almoço resmungando. Sem se dar por vencido, o MQI se oferece então para ir junto com todos até a lancheria da esquina.
Já na Lancheria do Vadão (o rei do Pastelão), o MQI começa a buscar sociedade com alguém para comer um terço de pastel de carne. Mais que isso me incha o estômago – ele explica com cara de dor enquanto massageia a barriga. Como todos se esquivam, pois pedem dois ou três pastéis cada um, o MQI desiste de comprar e começa então a pedir só uma lasquinha do pastel de alguém. O gordo aquele da chave de braço agora tem que ser levado para a rua! Quase que a coisa engrossa.
No seu dia-a-dia você deve conviver com algum desta espécie. É daqueles que pára a uma hora da tarde e lhe pergunta, na maior cara de pau: - Você lembra se eu já almocei hoje?
No amigo-secreto de fim-de-ano ele ganha de presente um passaporte para comer DEZ vezes na Pizzaria mais badalada da cidade. Aí ele olha o presente, faz aquela cara de desmazelo, passa a mão na barriga, sacode a cabeça negativamente e senta desolado.
Que coisa mais irritante, esse MQI ! Que cara mais auto-suficiente! Que cara mais magro!
Pois é, a nós, mortais, resta ver e sofrer.
Me passa a Rabanada!
Silvano – o impossível

12 dezembro 2008

Coisa de Gordo - 406


406 - REPOUSO NA SERRA GAÚCHA
Quando se fala em Serra Gaúcha, as pessoas pensam reflexamente em Gramado e Canela. E há motivos de sobra para isso. Essas duas cidades são duas potências turísticas inigualáveis. Prova disso é que, conforme me informou uma dona de Hotel, as reservas para estas duas cidades estão completamente LOTADAS desde o segundo fim-de-semana de novembro até o final de fevereiro de 2009! Já pensou? Para conseguir se hospedar, só chegando no dia e chuleando alguma eventual desistência por parte de quem reservou.
Esse ritmo frenético todo por vezes cansa, e aí a gente parte em busca de outros ares. E que são ali do ladinho. Reunindo um pequeno grupo familiar, nos embarafustamos Serra acima, buscando pouso na cidade de São Francisco de Paula. São Chico, para os íntimos. O lugar escolhido foi o HOTEL DAS ARAUCÁRIAS. De fácil acesso, fica bem na entrada da cidade. Você acaba de passar pelo trevo da chegada, está numa avenida duplicada e ali mesmo, à direita, visualiza o enorme outdoor que o convida e entrar no Hotel.
Trata-se de uma área de sete hectares, situada em meio ao verde e à paz, e obviamente ornada de Araucárias. São aqueles pinheiros altos, característicos da região, e de onde se extraem as pinhas, que dão origem ao pinhão que você comeu na Festa Junina.
Apesar de ser dentro da cidade, a sensação que se tem é de estar no meio do campo. O ar puro, o vento balançando as árvores, tudo compõe um ambiente delicioso de descanso. O Hotel fica no centro de treze edificações. Cada edificação possui dois chalés que perfazem, portanto, vinte e seis acomodações. O chalé é em estilo colonial, uma pequena sala de entrada que serve de quarto para duas ou três pessoas ( um sofá cama e uma cama). Há frigobar, um banheiro espaçoso com banho quente de caldeira, TV colorida do quarto. O quarto possui cama de casal box. Na verdade o chalé se propõe a acomodar bem quatro pessoas. Nesta época, o custo desta diária sai por 240,00 com direito a um magnífico café da manhã, que é servido no corpo do hotel.
Para quem vai lá no verão, há uma piscina a céu aberto. No dia que lá ficamos um casal se deliciou na água e no sol. O preço da diária inclui um passeio a cavalo pelo pasto do hotel. O atendimento é atencioso, amigável, o ambiente é muito acolhedor.
Como citei no início do texto, se você quer ficar perto do frisson de Gramado-Canela, mas pretende também descansar um pouquinho, este Hotel das Araucárias é um achado. A cidade de São Francisco de Paula ainda não foi contaminada pelo turismo em escala industrial, é pequena, provinciana, quase rudimentar. Você pode se deliciar caminhando pelas pacatas ruas, almoçando no Restaurante Pasta Nostra (já citado neste blog repetidas vezes). Tem o ar da serra, o silêncio, o vento, a paisagem que possibilita belas fotos. Enfim, um paraíso aqui ao lado.
Silvano – precisando de repouso


SERVIÇO
O endereço na internet: http://hoteldasaraucarias.com.br/
Contatos: (54) 3244.1395 - 3244.1701


12/12/2008

Obrigado, Corinthians!



Valeu, Timão! Dar emprego a um GORDO, nesta altura do campeonato...é muita consideração! Tem que ter peito prá encarar essa e o Corinthians teve! Sim, senhores Magros, também os gordos sabem bater bola. Não é o meu caso, esclareço, mas há vários gordos que dão banho de bola. Um gordo em campo, portanto, é o que teremos! Valeu!

Silvano

HANNIBAL – A ORIGEM DO MAL


O tema é por demais interessante, quem travou conhecimento com este personagem lá no SILÊNCIO DOS INOCENTES teve sua atenção chamada para as profundezas da alma humana. Se aquele psiquiatra assassino, brilhantemente interpretado por Anthony Hopkins, causou arrepios em todos nós, é óbvio que qualquer filme sobre ele vai nos despertar no mínimo a curiosidade. Este filme se propõe a explicar a origem do serial killer, sua infância, seu desabrochar. Parte de uma lúgubre história da Segunda Guerra Mundial, no front russo, na Lituânia. Um grupo de nazistas toma e assalto uma casa onde estão duas crianças, o pequeno Hannibal e sua irmã. Os dias passam a comida acaba, a neve regela a todos...o que fazer? Os facínoras nazistas então decidem matar a menina para dela se alimentar! Isso mesmo, canibalismo mesclado a nazismo e terror da guerra. O menino assiste a tudo e, mais que isso, inadvertidamente, também come de sua própria irmã (sem saber o que comia).
A partir daí o filme busca a lógica da vingança. A exemplo daqueles filmes de faroeste onde matavam a família do Mocinho no início da história e a conseqüente vingança, neste aqui o roteirista seguiu a mesma lógica. O menino foge, parte em busca de sua redenção, é acolhido por uma sedutora Tia (a bela Gong Li). Esta tia lhe dá noções de artes, ciências, cultura, misticismo e artes marciais. Isso acaba dando consistência ao que já se tinha visto nos outros filmes, onde o cara já era adulto. Ah, pensamos nós, então o maluco teve a sua “academia”.
E então ele busca minuciosamente, um a um, todos os caras que o expuseram à barbárie do início do filme. Algumas coisas são muito toscas, resumidas. Há o personagem de um detetive que, já no primeiro confronto com Hannibal deduz, simplesmente pelo uso de um detector de mentiras, que o cara é “monstruoso”. Simplista demais!
Pelo sim, pelo não, o roteiro acaba pondo o sentimento do espectador ao lado do pobre menino barbarizado, e a partir daí a gente literalmente torce pelo assassino.
Os cenários são soturnos, escuros, mas belos. A reconstituição de época é convincente. Os atores estão ótimos. A música é de boa qualidade. Para quem acompanha a saga, é imperdível!
Nota: 8,0.
Silvano - patológico



Ficha Técnica
Título Original: Hannibal Rising
Gênero: Suspense
Tempo de Duração: 117 minutos
Ano de Lançamento (EUA / Inglaterra / França): 2007
Site Oficial: www.hannibal.com.br
Direção: Peter Webber
Roteiro: Thomas Harris, baseado em livro de Thomas Harris

Elenco
Gaspard Ulliel (Hannibal Lecter)
Gong Li (Murasaki Shikibu)
Jos Houben (Serge)
Nancy Bishop (Marielle)
Charles Maquignon (Paul Momund)
Dominic West (Inspetor Popil)
Helena Lia Tachovska (Mischa)
Michele Wade (Nanny)

04 dezembro 2008

Coisa de Gordo - 405


405 – PIMENTA, MAS NEM TANTO
Já me declarei aqui neste espaço como um adorador de pimentas, você há de lembrar. O que por vezes suscita alguma confusão. Quando a gente diz para alguém que gosta de pimenta, este alguém imagina potes de pimenta malagueta, pimentas assassinas, temperos os mais fortes. O que não é o meu caso.
Gosto de pimenta pelo sabor da pimenta. Passei a cultuar o uso do Molho de Pimenta na mesa, este vidrinho geralmente de rótulo vermelho que custa em torno de 1,00 ou 1,50 reais. E que adicionado ao prato já servido da gente dá um tempero delicioso.
Na esteira desse processo, estou sempre em busca de novas pimentas, novas cores, novos sabores.
Numa faixa de preço um pouco acima, comprei no Supermercado um vidrinho de Pimenta da marca TABASCO. Você já deve ter visto na prateleira do Super, é um vidrinho menor (60ml contra os 150ml da convencional) e de cor verde. No rótulo diz que é um produto importado, fabricado nos Estados Unidos. É uma pimenta saborosa, um pouquinho mais ácida.
Esta marca Tabasco tem outras cores e sabores de pimentas, ao gosto do freguês. Seus diferenciais são o tamanho três vezes menor, o preço três vezes maior, o fato de ser importada e o sabor. Mas cabe lembrar que os vidrinhos comuns são igualmente deliciosos. Você decidirá na hora de escolher na prateleira.
Por força da agenda social, nossa amiga Cristine nos prestou um belo serviço, fornecendo canapés, tortas e uma salada de maionese incomparável. Nesse dia, provamos nessas coisas que ela nos trouxe uma pimentinha vermelha deliciosa, colocada sobre sanduíches e comida prazerosamente. Longe de assustar paladares, a tal pimenta mostrou-se um sucesso. Inquirindo a Cristine, ela nos revelou tratar-se de uma variedade chamada PIMENTA BIQUINHO, indicando-nos onde comprar. Lógico, no Supermercado. A marca desta que conseguimos é Serra Azul, mas na internet consegui a foto de uma outra de nome Carolina. No rótulo da Carolina diz assim: “É saborosa e não arde!”. De qual ardência será que eles estão falando? Pois é...talvez das duas. Na que compramos, esta da marca Serra Azul, está assim escrito no vidro: “O sabor exótico da pimenta sem ardência. Ideal para petiscos e cocktails, pratos quentes e frios.” Pois é, mais uma vez a tal ardência.
Pois esta tal PIMENTA BIQUINHO é uma delícia, um pequeno petisco, quase uma doçura. Na sua próxima ida ao Supermercado, na hora de comprar o palmito, os pepinos, as azeitonas (obviamente recheadas), lembre de provar esta vermelha iguaria. Vai enriquecer suas saladas, sanduíches. Vai surpreender seus convidados. Vai impressionar você.
Na hora de comer....faça biquinho!
Silvano – será que esse cara ganha prá fazer essa propaganda toda?


04/12/2008

JOGO PARA MATAR TORCEDOR DO CORAÇÃO: INTER CAMPEÃO!


Que jogo de bola! Como é que as coronárias agüentaram tanta pressão? Mas ao final, o INTERNACIONAL sagrado Campeão da Copa Sul-Americana, tudo virou festa! Que noite! Que noite!
Silvano

30 novembro 2008

Coisa de Gordo - 404


404 – PIZZARIA MÓVEL
O mundo da gastronomia tem suas peculiaridades, a criatividade nesta área é fator de diferenciação. Trago esta breve consideração a partir de uma agradável experiência que tivemos noite dessas em Porto Alegre.
Já citei em texto anterior que esta época do ano é pródiga em festas e despedidas. Por força disso, fomos em mais uma festividade da família da sra Kátia, brindar com aquela italianada toda mais um ano que se vai.
O festejo se deu na sede de um belo condomínio da Zona Sul, todos estavam animados, eufóricos. A comissão organizadora, que em eventos anteriores já nos fez ir a Bento Gonçalves e Pinto Bandeira, dessa vez inovou. Os caras chamaram a PIZZARIA MÓVEL, um serviço de uma pizzaria da capital gaúcha.
O nome da pizzaria é TACO PUB, o endereço é na Avenida Getúlio Vargas, 989, Bairro Menino Deus. O telefone para tele-entrega é (51) 30613035. Até aí tudo normal, é uma boa Pizzaria como qualquer outra da cidade. Onde aparece o diferencial?
Eles têm a PIZZARIA MÓVEL. Uma equipe de funcionários, verdadeiros soldados prontos para uma batalha, vai a qualquer lugar onde se queira, para fazer a festa. Ou as pizzas. No folder que distribuem eles dizem: “Levamos garçons e pizzaiolos e montamos a pizzaria do Taco na sua casa, salão de festas ou empresa.”
De fato, eles chegam com uma parafernália toda, no princípio as pessoas ficam meio desconfiadas. Ihh...será que esse troço vai ficar bom? Será que não vai faltar pizza?
Na hora marcada, as pessoas da festa são enfim acomodadas em mesas, e começa o desfile de delícias. Impressionante! Dá a impressão que a gente está sentado lá na sede deles, na avenida Getúlio Vargas. As pizzas se sucedem, trazendo uma riqueza de sabores os mais variados. Começam nas clássicas QUATRO QUEIJOS, STROGONOFF, VEGETARIANA, e depois vão migrando para sabores mais diversificados, trilhando seu caminho por fatias de pizza ALHO E ÓLEO, CALABRESA, BASCA, PORTUGUESA, CORAÇÃO, FRANGO COM CATUPIRY, BACON, BRÓCOLIS, PRESUNTO, PALMITO, SICILIANA dentre outras. Essas as que eu lembro agora. Os caras são ágeis, servis, deslizam por entre os convidados, preenchendo tanto o quesito qualidade como o quesito sabor diferenciado.
Quando se pensava que tinham apresentado tudo...vieram as Pizzas Doces. Que loucura! Até isso os caras levaram!
Delícia de pizzaria! Maravilha de serviço! Muito boa idéia!
Mais detalhes: www.tacopub.com.br
Como disse no início, nesta disputada fatia do mercado gastronômico, às vezes um detalhe como este é que acaba fazendo a diferença. Levar a confecção das pizzas até onde você quiser.
Nós adoramos!
Resta saber onde é que esta italianada vai me levar no próximo encontro de família. Até agora, os caras arrasaram, foi só coisa boa. Portanto, é viver para aproveitar.
Silvano – além de não ser da família, garanto que foi quem mais comeu no evento. Mas que cara inconveniente


VEM CÁ, ESSE TROÇO NÃO TINHA QUE SAIR NAS QUINTAS-FEIRAS?
Pois é, a correria tem sido grande. Não, desta vez não foi culpa de poste nenhum, nem da Companhia de Luz ou da Companhia Telefônica. Foi, na verdade, excesso de trabalho. Mas que não sirva de exemplo. Seriedade, Silvano, seriedade!


A GOVERNADORA YEDA “arrogante” CRUSIUS .....
...me fez lembrar dos tempos do Olívio Dutra diante desta Greve do Magistério gaúcho. Não digo que eu seja a favor da greve neste momento. Apenas o que se percebeu foi um ódio, um ressentimento só visto em tempos de PT no poder. Tomou medidas antipáticas, comprou brigas desnecessárias, curtiu com crueldade o desfecho da greve. Pois é,vai ver se inspirou no bigodudo. Mas ficou essa impressão de implicância, uma espécie de perseguição.

21 novembro 2008

Coisa de Gordo - 403


403 – CAROÇO?
Você por certo estava vivo(a) na virada do milênio e deve lembrar das coisas que se falou por aquela época. Uma clássica expressão é aquela que diz.. “em pleno século 21....blá....blá....blá”. Sim, deu-se a virada do ano, do século, do milênio. E de fato é inadmissível que certas coisas ainda permaneçam entre nós.
Gente de Deus!
Dia desses fomos comer uma Pizza em casa, dessas que se compram já montadas. Aspecto delicioso, queijo derretendo, e bem no meio dela uma linda azeitona. Após ter servido a turma, tomei daquela azeitona e lasquei o dente! Uau! Quase quebrei o dente! Sim, o troço ainda tinha caroço dentro de si.
Inadmissível! No ano de 2008 isso é inadmissível!
Sim, ninguém teve a chance de conhecer azeitona no pé. Todo mundo que conheço travou conhecimento com esse delicioso fruto da Oliveira já devidamente engarrafado e temperado. No ritual de se comer azeitona, aprendemos a comer cuidadosamente a fruta (será que é assim que se chama?), já sabendo que restaria dentro da boca o caroço. Aquilo sempre gerou uma série de pequenos embaraços. Num evento, quem mais comia, era identificado pela montanha de caroços ao redor. Alguns não se davam ao trabalho de juntar os caroços, jogando os pequenos detritos em vasos, por cima do muro do vizinho, na orquídea da Vovó, no vaso sanitário, no cinzeiro, na casa do cachorro, na mesa de centro.
Quem servia azeitona para alguém já sabia dessa nojeira toda e providenciava receptáculos, pratinhos, pires, para que as pessoas colocassem os viscosos caroços após seu deleite.
Enfim, como diria minha amiga Caroline, era uma função desproporcional!
Aí os caras se deram conta e começaram a industrializar a azeitona sem caroço, igualmente temperada, bem salgadinha, e sem o quebra-dentes inconveniente. E para arrematar, ali, naquele pequeno espaço vazio, naquele pequeno útero em seu pós-parto, acomodaram lascas de pimentão, tomate, etc. Além do contraste da cor, o gosto ficou muito bom.
Lembro que comer azeitona recheada era um luxo em nossa juventude. Fazia parte dos eventos de Natal, justamente por vir em cestas de coisas importadas. A gente guardava aquele vidrinho até março, quando então, numa data especial, abria o vidro e servia a deliciosa iguaria. Hoje isso se popularizou!
Há azeitonas recheadas a preços bem acessíveis, a granel no balcão do Supermercado, em armazéns e mercados. Tornou-se um produto barato, comum, acessível!
Por que, então, meu amigo, colocar uma traiçoeira azeitona encaroçada numa pizza que se vai saborear na intimidade do lar? Para que fazer isso? Por que este descaso? Será que o custo de UMA azeitona (que é o que tinha naquela mortífera pizza) é significativo para quem a prepara e vende? Não será um diferencial bem fácil de colocar? Pois é! Por que o caroço?
Pensei em algumas estratégias neste sentido. Passei por idéias terroristas, táticas de guerrilha para cercar e invadir fábricas de conservas. Depois pensei em recrutar o Daniel Dantas para, com sua influência, decretar a extinção do caroço em território nacional. Mais tarde lembrei dos ecologistas, pensando em convencê-los de que o caroço jogado fora a esmo seria prejudicial ao ecossistema. Me passou pela cabeça deflagrar uma daquelas correntes pela internet, convocando todos a espalharem e-mails com a campanha: “Não é bicho nem tem osso – mas é uma droga o tal do caroço!”. Desisti de todas essas estratégias.
Aí lembrei da uma lei, a boa e velha LEI DO MERCADO. Ora, caro(a) amigo(a), basta que se faça uma coisa. Vamos parar de comprar, consumir, vender, encomendar azeitonas com caroço. Vamos nos dedicar a comprar, consumir, presentear, preparar pizzas e bacalhau APENAS com azeitona descaroçada! Na hora que os donos das fábricas se derem conta, retirarão do mercado estas verdes armadilhas, deixando à nossa disposição apenas as suculentas azeitonas recheadas.
Pense nisso. Seu dente pré-molar vai agradecer. E a grama do vizinho também.
Silvano – sem recheio


O POSTE QUE CAIU
Pois é, com toda tecnologia disponível no mundo moderno, basta que caia um POSTE e a gente se vê de volta a cinco séculos atrás. Sem geladeira. Sem forno de microondas. Sem internet. Após o evento ocorrido (o poste que caiu espontaneamente na frente de nossa casa), acionamos a CEEE que em seis horas tirou o poste podre, desligou os fios todos, colocou um poste novo no local e religou os fios e a corrente elétrica. E os fios de telefone? – perguntei aos caras. Isso é com a Brasil Telecom, chama eles que eles arrumam esta parte – responderam.
Acionamos então a Brasil Telecom, após a sra Kátia ter ficado uns vinte minutos discando UM, discando DOIS, etc...até que conseguiu falar com um ser humano que disse que em vinte e quatro horas o problema estaria solucionado. Fizeram em menos tempo do que isso. Que bom, voltamos a ter luz, telefone e internet. A partir de agora passarei pelo poste novo, darei bom dia, serei um amigo. Já percebi que ele tem poderes sobre nossa casa e, por conseguinte, nossas vidas.
Enfim, voltei! Chato, enfadonho, inútil. Mas de poste novo!
Silvano – não foi dessa vez...


22/11/2008

Curtindo nosso momento OUT BACK



Aproveitando a falta de tecnologia em casa, migramos a um Shopping na capital onde fomos degustar as coisas do famoso OUT BACK. na foto rudimentar feita no celular, uma Costela de Porco Assada e a Batata Recheada. Loucura..loucura..

Silvano

20 novembro 2008

Falta de energia em nossos sistemas

Por volta do meio-dia, sem saber porque nem para quê, um poste da nossa rua caiu, levando consigo fios de telefonia e de energia elétrica. Logo hoje, que tenho que postar a coluna semanal! Pois é. Assim, tive que vir aqui em outro ponto para postar este aviso. Se a CEEE for ágil e consertar o poste ainda hoje e se a Brasil Telecom arrumar os fios de telefonia, mais tarde eu "estarei postando" a coluna semanal ( como diriam as atendentes de telemarketing). Caso contrário, estarei em casa, à luz de velas, sem contato com o mundo exterior. Fazer o quê?? Bom , pelo menos, estarei fora do alcance do telemarketing... Boa!
Silvano - desconectado

13 novembro 2008

Coisa de Gordo - 402


402 – ADEUS, ANO VELHO !
O que? – dirá você, mas recém estamos em novembro! De fato. Acontece que a agenda de fim de ano já está quase toda completa, despedida disso numa quinta, despedida daquilo na sexta. Ontem ainda estávamos preenchendo as datas, cada setor de nossas vidas mais ávido que o outro por uma data para sua festividade.
Já me incomodou mais este tipo de coisa, já tive mais reservas. Você sabe que sou um crítico mordaz do consumismo desta época, as contas apertando, o juro do banco pegando pela perna e a gente gastando com presentinhos. Entretanto, seguindo aquela obtusa lógica que diz que, se não dá para vencer o inimigo a gente deve se unir a ele, eis-me aqui mais aberto. Mais disponível. Pronto para todas as despedidas. Aliás, despede-se não sei bem do quê. A gente abraça o colega de trabalho, bebe (eba!), come (eba, eba!) e daí a dois dias dá de cara com ele no mesmo setor. Fazendo as mesmas coisas de antes. Mas parece que é necessário se despedir. Brindemos, portanto, ao ano-novo.
Há uma crise financeira mundial, tá todo mundo respirando curto, mas essas coisas estão acima de razão. Mexem com o afeto das pessoas. Com a sua culpa, a sua insegurança, os seus medos. Eu posso passar o ano todo sem dar bola para minha velha mãe, mas se no Natal eu for visitá-la...pronto, estou em dia com o compromisso familiar. Azar do resto do ano. Esta parece ser nossa lógica por esses dias. O mercado está retraído, os bancos estão pisando em ovos, aquele décimo terceiro salário que poderia dar uma aliviada nas coisas vai acabar sendo despejado na lista de amigo-secreto.
Pelo sim, pelo não, temos as coisas boas. O Salpicão, a Lentilha, a Carne de Porco com Abacaxi caramelado. A Espuma de Prata bem geladinha. Pois é, diria minha amiga Silvia, neste quesito dos espumantes o meu paladar ainda engatinha.
Então vamos lá.. "o meu amigo-secreto é legal, amigo, gosta de preparar comidas, mas prefere comê-las a prepará-las, não dispensa uma lata de Leite Moça, entra ano e sai ano e ele está sempre querendo emagrecer. Já fez todas as dietas possíveis e imagináveis, já tomou todos os remédios lançados no mercado com este mesmo fim. E para terminar a charada, ele é responsável pelo maior consumo de Coca-light de toda região....o meu presente vai para.......O SILVANO !!!!! "
Que legal! Adeus, ano-velho. Que venha a Lentilha com Lingüiça!
Silvano – em ritmo de festa


13/11/2008

Leitor fala sobre os Pedágios gaúchos


Caro Silvano,
Falo sobre os pedágios, assunto que agora está em candente discussão no nosso meio, tendo em vista a proposta do governo em prorrogar os contratos com as concessionárias. Tenho lido e ouvido muita coisa nos jornais e rádios, e algumas coisas tenho que dizer a respeito:
- De que quando fizeram os contratos, o governo não tinha experiência com pedágios. Pelo amor de Deus, isso é um absurdo! Quantos advogados e administradores têm ou tinha no governo para elaborar um contrato, uma lei ou que seja?? Até legalmente, desconhecimento não é desculpa para nada! É óbvio que os contratos foram feitos exclusivamente para beneficiar as concessionárias. É do mesmo governo a famosa renegociação da dívida que endividou o estado. A história já julgou este governo. Antonio Britto não ganha eleição para síndico do prédio em que mora. A pouco, tentou ressurgir no Grêmio e houve um clamor insuportável e ele sumiu!
- Fique bem claro, também não sou contra os pedágios. A Free Way é uma das dez melhores rodovias do Brasil, a melhor do estado. Estão falando muito do pedágio de Portão, mas não falam do de Sapiranga. Quem vai a Gramado de Porto Alegre, paga dois e pouco, estrada duplicada pelo pedágio, e como quase não passa caminhão, a conservação dura. A de Portão tem problemas de conservação, mas faltam 15% para conclusão da duplicação, o pedaço de Bom Princípio e o trevo de São Vendelino. Agora, querem extinguir este pedágio e passar para a concessionária de Caxias. É inacreditável, ou seja, todos os benefícios para as concessionárias novamente. As concessionárias dizem que não tem guincho ou ambulância nas comunitárias. Alguém acha que precisa ou todo mundo quer é estrada melhor a preço justo? Quem vai a Gramado, uma ilha cercada por pedágios por todos os lados, e leu a proposta do que vai acontecer entre Gramado e Nova Petrópolis vê que é um absurdo, agora, dez anos depois, vão fazer acostamento. Vai ter uma praça nova de pedágio entre Gramado e Taquara. Para mim, isto é a prova inequívoca que os pedágios são só exploração: cobra-se o máximo do principal pólo turístico do Estado. Mas Caxias é igual. Estes tempos, fiz um tour na serra, passando, por Carlos Barbosa, Farroupilha, Caxias, Nova Petrópolis, Gramado e voltei por Taquara: CINCO pedágios em menos de 300 quilômetros. O único que não te irrita, é o de Sapiranga. Fico pensando o caminhão que vai de Iraí a Rio Grande, eu perdi a conta.
- O Governo diz que não tem plano B, assim como não tinha no ICMS e mundo não acabou. Eu tenho. Começa hoje, nova licitação para todas as estradas estaduais, as propostas têm que ter: obras completas na estrada, duplicadas nas que passam trânsito pesado de caminhão, após inicia cobrança, e ganha a que tiver menor preço. Não precisa ser comunitário. Vão ver o contrato da Concepa, vão ver os contratos que foram fechados a pouco no centro do país pela Dilma. E quem ganhar, assume quando acabar os contratos atuais. Até lá, que se cumpram os contratos, pelo governo e principalmente, pelas concessionárias.
Perguntas: por que o Governo Yeda, que não falou em pedágios na campanha, quer agora a qualquer custo renovar os contratos, que encerram no meio do próximo governo?? Por que, agora, as concessionárias têm dinheiro para investir nas estradas? Quanto custou de verdade a casa da Yeda?
James – de Porto Alegre



AGORA EU FALO SOBRE ELES
Concordo com o leitor JAMES e na carona do que ele escreveu, mando bala. A coisa é toda muito complexa, se tem um caso em que cabe aquela máxima de que neste mato não tem coelho, é só raposa, este caso é o dos pedágios nas estradas gaúchas. Já levantei bandeiras de recalque aqui neste blog para depreciar o Rio Grande do Sul, quando o comparo com a vizinha Santa Catrina. Lá é proibido colocar pedágio em estrada e as estradas estaduais deles são as melhores onde já andei. Qual é a magia? Vamos além.
Por que quando a coisa é na Saúde Pública todo mundo se ofende e se arma, ao passo que nesta área de transportes todo mundo vira ovelha? Perceba a diferença. Imagine uma situação em que um pai leva seu filho com febre a um Hospital público. Ora, ele precisa de atendimento. Se ao chegar lá o Hospital não providenciar logo um médico e todo o resto (raio-x, laboratório, farmácia...), a família chama o Promotor Público que manda prender todo mundo e vinte minutos depois a demanda daquela família é prontamente atendida.
Voltemos às estradas. Este mesmo pai precisa viajar cinqüenta quilômetros para então levar seu filho ao atendimento. Só que a estrada está péssima, esburacada, sem sinalização. Ora, isso também é obrigação do governo, atender a necessidade de transporte daquele cidadão. Então porque não se aciona a polícia, o Promotor, o Bispo? Pois é, somos ovelha. Com a Saúde, faca no peito. Com o Transporte, calma e paciência. Se você acha um menos importante que o outro, lembre que a ambulância que vai lhe levar infartado até a UTI não tem asas, não flutua na água e ainda precisa de estrada boa para lhe salvar.
Sim, lembro vivamente do tempo em que não havia pedágios nas estradas gaúchas. Eram terra de ninguém, coisa para lembrar do filme Mad Max. Se o Estado era incompetente para fazer isso, muito bem, que viessem as concessionárias fazer melhor. Então cabe a pergunta que brado faz mais de uma década: - Para que serve o DAER? O DAER, para quem não sabe, equivale ao DER catarinense, e é aquele verdadeiro elefante branco, órgão público super inchado, que ostenta um prédio gigantesco ali na Avenida Borges de Medeiros na capital (ao lado do IPERGS), sem função nenhuma! Então, o Estado vai entregar as estradas à iniciativa privada? Fecha o DAER. Elimina o DAER. Onde os caras atuam? Na concessão de linhas de ônibus, verdadeiro antro de mafiosos e troca de interesses. No aumento de passagens estaduais, outro vespeiro onde tem muita gente se arrumando às nossas custas. Na vistoria de ônibus e caminhões, setor onde frequentemente a imprensa denuncia fraudes. Na concessão de Estações Rodoviárias decrépitas Rio Grande afora. Enfim, o troço é um antro de corrupção, não presta mais serviço algum ao estado e ninguém toca no DAER! Pagar pedágio é ruim? Com certeza. Mas manter esta excrescência administrativa é algo muito pior.
Se prefiro as estradas mais seguras e sinalizadas de agora, quando são pedagiadas? Claro que sim. Então por que o governo não reduz o nosso IPVA? Ou o ICMS da gasolina? Para nos compensar, ora essa!
De novo o paralelo com a saúde. Se um prestador qualquer de saúde ousar cobrar um centavo de um usuário, o mundo vem abaixo! Vai preso o médico, o administrador, a faxineira e o guarda da instituição. E de noite isso é notícia no Jornal Nacional. Mas e quando se cobra do usuário o direito de andar por uma estrada boa, aí ninguém reclama? Paga-se o pedágio e o Jornal Nacional não quer nem saber do fato.
Você deve ter esquecido, mas eu, que sou recalcado, lembro. Ao tempo do governador Germano “aumentando impostos” Rigotto, houve um escândalo nesta área, do qual ninguém mais falou. Quando um caminhão passava numa cancela de pedágio e tinha que pagar por eixo, os caras se deram conta de que se o caminhão estivesse vazio ele levantava o rodado e, por estar usando menos o asfalto, ele pagava menos pedágio. Ah, dirá você, mas aí o motorista fraudava, levantando o rodado mesmo carregado. Nada disso. Para evitar tal fraude, sempre que isso acontecia o motorista era encaminhado a uma balança onde se constatava que de fato o caminhão estava vazio. O que fez sua eminência arrecadadora, o Rigotto? Baixou uma lei onde proibiu que se fizesse isso. A partir dali, os pobres caminhoneiros passaram a pagar o pedágio mais caro, mesmo estando sem carga na carroceria. Dá para levar este Estado a sério?
Agora a Governadora Yeda “arrogante” Crusius quer antecipar a renovação dos contratos de pedágio. Você tem SUSPEITA de que há algo suspeito nessa negociata? Rá, rá, rá....cara, eu tenho certeza! Então vejamos...quem será que MAIS UMA VEZ vai arcar com esta conta? Deixa ver.....VOCê e EU! De novo!
Desculpa o ranço, mas já fui muito espoliado!
Silvano – mas que coisa

13/11/2008

06 novembro 2008

Coisa de Gordo - 401


401 – MAS QUE DROGA !
A gente tenta, a gente espera, a gente busca....e aí volta sempre ao mesmo ponto. A vida nos diz, então: - Vá fazer dieta! Vá caminhar! Vá emagrecer!
Todos que têm um certo excesso de peso buscam, vida afora, alguns caminhos a serem seguidos. Dicas, orientações, dietas, tratamentos, terapias, cirurgias, ave-marias. E aí entra a Indústria Farmacêutica, sedenta desta gorda fatia do mercado, lançando ano a ano novidades milagrosas. A bola da vez era o ACOMPLIA!
Cara, eu lembro do tempo em que uma amiga da minha mãe tomava TRIAC, um remédio à base de hormônio da tireóide. Existe até hoje, mas não se usa mais para isso. Depois vieram as anfetaminas, coisas como o DUALID, o HIPOFAGIN, o DESOBESI. Só que os caminhoneiros começaram a usar essas para ficar acordados e o cerco se fechou.
Aí foi a vez de um menos famoso, o ISOMERIDE. Não deu muito resultado, se perdeu na poeira do tempo.
Anos depois desembarcaram quase juntas duas correntes de remédios emagrecedores, na época igualmente famosas. De um lado veio o REDUCTIL e com ele toda uma gama de anti-depressivos com a mesma missão. E junto dele o XENICAL. O Xenical fez e faz até hoje aquilo a que se propôs, só que as pessoas acham meio desconfortável o seu uso. Mas ele está aí, no mercado. Destinado a reduzir em 30% a absorção da gordura que ingerimos, o Xenical matou a cobra e mostrou o pau. Mas as pessoas se incomodaram em levantar do vaso sanitário e ter que ir buscar o detergente para tirar a gordura. Ou então as histórias hilárias de quem o experimentou e “menstruou” na poltrona. Ou no carro. Ou na rua. Funciona, portanto, mas dá um certo trabalho.
O REDUCTIL e todos os outros anti-depressivos é que permaneceram como filosofia. Os caras da Indústria lançam anti-depressivos para tudo. Para parar de fumar (Ziban). Para depressão (dããã). E para emagrecer.
Após isso tudo veio o ACOMPLIA, prometendo atacar a gordura no seu ponto mais nevrálgico. A deposição visceral. Sabe-se que o que mata os gordos é esta gordura ao redor da barriga, que aumenta a pressão arterial, bagunça os colesteróis, causa infarto, enfim, o que nos liquida e dizima. Aí eles acertadamente investiram nisso e chegaram a este sal, o “rimonabanto”, que faz exatamente isso. Diminui a gordura ao redor das vísceras.
Uma amiga se animou e me convidou para, em sociedade, começarmos a tomar. Ela propôs isso pois o troço era caro, o preço da caixa era 220,00! Quando ligamos para mandar vir a primeira caixa, já estava em oferta por 160,00. Compramos, começamos a tomar e ela, principalmente ela, notou rápidos resultados. Percebi também alguma melhora. Animados, partimos para outras caixas, pusemos um terceiro amigo na sociedade, compramos mais caixas. Na última compra, a caixa já saiu por 99,00. Claro, os caras estavam sentindo a corda esticar, sabiam que ia ser proibido.
Até que veio a bomba. Está na capa da VEJA desta semana. Proibiram a venda do ACOMPLIA. Portanto, como disse no título, MAS QUE DROGA! A justificativa dos censores é que o remédio estaria causando distúrbios psiquiátricos nos usuários, incluindo depressão (rá,rá,rá....logo eu) e alguns casos de esquizofrenia (o que explicaria alguma coisas em mim). Uma pena.
Será que a gente não podia ter uma folguinha? Uma ajudazinha? Só um empurrãozinho inicial? Não. O nosso carma é calçar o tênis, caminhar, fechar a boca e , sim, tentar e tentar e para sempre tentar emagrecer. Pelo jeito, sem a ajuda do Acomplia. Que dureza!
Silvano - desiludido

BARAK OBAMA
Há toda uma euforia com a eleição do Barak Obama para presidir o planeta Terra, digo, os Estados Unidos. O cara descende de muçulmanos, é negro, o pai abandonou a mãe, morou na Indonésia, comeu o pão que o diabo amassou, até que agora é eleito presidente americano. Eu, de minha parte, sou calejado e já não acredito nessas coisas. Volto anos atrás quando a doce Margareth Thatcher foi eleita primeira-ministra britânica. Ai, gente, uma mulher no governo da Inglaterra, que legal. Garanto que ela vai trazer a sensibilidade feminina ao mundo. Ra, rá, rá. Aquilo era mais macho do que eu! Governou com mão de ferro e, já comentei aqui, deu-se ao desplante de sobrevoar as Ilhas Malvinas, na guerra contra a Argentina, a bordo de um caça, disparando mísseis. É mole?
Pois é, agora vem o Barak. Acho que ele será um excelente presidente....para os Estados Unidos! Nós, ralé terceiro-mundista, continuaremos sendo o pátio deles mais e cada vez mais. Não importa a cor da pele do presidente. Eles vão continuar com o protecionismo na indústria e na agricultura, vão continuar nos sacaneando na Balança Comercial, vão continuar impondo dificuldades a que nós, escória brasileira, consigamos um mero visto de turista na Embaixada só para poder ir visitar a Disneyworld. Pois é, Barak Obama. Grande coisa!
E depois tem mais. Naquele país de loucos, não causaria admiração se antes da posse matassem o cara. Lá a coisa é resolvida assim. No rifle. Depois nós é que somos violentos....


06/11/2008

Leitor manda Dica de Filme


Mamma Mia
Em plena quarta feira, sessão da cinco, fui ver Mamma Mia. Até então, duas pessoas tinham me recomendado o filme: Uma colega do Samu, que teceu poucos comentários, nada estimulante e do meu cabeleireiro, este sim, entusiasmadérrimo, que era o filme da vida dele! Fiquei pensando, que deveria ser Priscilla 2, a missão. Fui ao cinema imaginando encontrar uma fauna, embora, indo ao Unibanco e não no Guion, me sentisse mais seguro. Havia dez pessoas na sessão: duas adolescentes, quatro velhinhas, um casal de meia idade, uma mulher só e eu. O filme é bom. Sempre gostei de musicais. Prá mim, o melhor filme de todos os tempos é Cantando na Chuva. Hair está entre os dez mais. Adoro todos os musicais da Metro. O teatro que gosto é o musical. É claro que ter dançado Abba quando adolescente ajuda a gostar do filme, mas o que mais me impressionou no filme foi o desempenho de Meryl Streep. Acostumado a vê-la em dramas, 12 ou 14 indicações ao Oscar, 2 em casa, assisti-la cantando é ótimo, mas mesmo assim, sua atuação é maravilhosa. Na hora que ri, que chora, é incrível. Rendo-me, é a melhor atriz de todos os tempos, mais que Bete Davis ou Katherine Hepburn! Surpreende, pois tem uma performance intensa num filme leve. Ela vale o filme! Gostei! E tem 22 músicas do Abba!
James - de Porto Alegre

30 outubro 2008

Coisa de Gordo - 400


400 - VOCÊ SABE QUE EU TE AMO
Nesta reforma da língua portuguesa que o governo federal está implantando tem umas coisas muito estranhas. Já tratei deste tema aqui, lá quando escrevi o CG – 342, de setembro de 2007. Se quiser matar a saudade: http://coisa-de-gordo.blogspot.com/2007/09/coisa-de-gordo-342.html Pois é, sob a justificativa de se unificarem as publicações dos países que falam português, os caras resolveram dar uma uniformizada.
Noite dessas, zapeando na rádio, escutei o professor Flávio Ledur fazendo uma interessante crítica a esta reforma. Alertou ele que não adianta uniformizar a escrita das palavras se não se mexer nos seu significado. E aí ele citou uma série de exemplos que nos diferenciam, por exemplo, de nossos irmãos portugueses.Em Portugal, a palavra "buseta" designa um pequeno ônibus, e a sua pronúncia é essa mesma que você está pensando. Ora, não adianta se convencionar que a partir de agora os dois países vão escrever igual se lá a coisa tem um significado automotivo, ao passo que aqui se presta a considerações mais canhestras.Partindo deste exemplo, você pode imaginar a infinidade de palavras nas quais se vai mexer a grafia (forma de escrever), se que se uniformize o significado. Resultado óbvio disso: - este reforma é um grande, um gigantesco desperdício.
Ora, Silvano, dirá você leitor. Toda mudança causa resistência. Deixe de ser limitado, abra seus horizontes.Abro montes e horizontes, mas ainda não consigo ver tanta utilidade assim na tal reforma.Eu que não cozinho na primeira fervura, fui alfabetizado ali, no limiar da última reforma que houve no Brasil, a de 1971. Sim, crianças, eu já sabia ler na Copa de 70! Por muito tempo os livros ainda continham palavras impressas do jeito antigo, coisas como "facto" que virou fato. E de fato (olha a redundância aí, gente) o país sobreviveu àquela reforma.. Assim como eu. Sobreviveremos a esta? Por certo. O que não me impede de apreciar o desperdício de tempo, dinheiro e papel. Aliás, ainda não escutei nenhum ecologista berrando contra a nova reforma. Sim, porque os livros que temos até então virarão lixo daqui a quatro anos. Toda a bibliografia nacional vai ter que ser reimpressa. Vai ter árvore prá isso tudo? E aí, IBAMA? E então FEPAM? Tudo em paz. Ninguém vai pedir um RIMA (relatório de impacto ambiental) desta reforma ortográfica? Ela já tem alvará?
Onde quero chegar. O presidente Lula, o itinerante, poderia aproveitar esta deixa maravilhosa para acerta a fala dele e de muita gente que fala como ele, anexando na reforma umas coisinhas que o tirariam para sempre do anedotário nacional. Por exemplo...
POBLEMA - ficaria estabelecido que a palavra certa seria poblema, resolvendo de uma vez por todas esse grande problema que alguns governantes enfrentam. A palavra, uma vez oficializada, entraria para o Aurélio e o Houaiss pela porta da frente. Imagine quantos discursos de posse seriam elogiados. Quantas atas de reunião da CUT não ficariam corrigidas?.. Quantos comentaristas esportivos paulistas (né, Juarez Soares?) poderiam ser enfim aplaudidos nas suas falas? Uma infinidade.
VOCÊ SABE QUE EU TE AMO - faz trinta anos que meu ouvido sangra nas novelas da Globo, quando ouço os mocinhos e mocinhas dizerem esta clássica frase. Que fere todos os princípios da concordância. O certo seria: - Você que sabe que eu lhe amo. Ou então: - Você sabe que eu o amo. Ou por fim: - Tu sabes que eu te amo. Mas essa mistureba que as atrizes e galãs têm feito não pode mais persistir na ilegalidade. Vamos legalizar esta droga! Só esta, Gabeira, só esta. Poderemos encher a boca e declamar às nossas amadas e amados: - Você sabe que eu te amo! - sem o risco de sermos corrigidos ou despachados.
AGÁ – esta gíria inicialmente médica invadiu o linguajar popular e poderia ser incluída na reforma. O Fulano foi lá na loja, xingou, brigou, fez o maior “agá”. Vem da letra H, letra inicial de Histeria. Aquilo a que os médicos, em plantão, chamam de “agazão”, ou “agá infectado”. Pois é, antes só se falava isso em plantão, agora até criança usa em sala de aula: - Bah, a Diretora veio aqui e fez o maior “agá”!
Enfim, como todos os países que falam a língua portuguesa são nações prósperas e ricas, botar esses milhões na lata do lixo por certo não vai fazer falta. Pobre de nós. Ou será "nóis"?
Silvano - the impossible


UM BELO DIA...
....estávamos no Shopping Praia de Belas, Porto Alegre, provamos do Sorvete de Doce de Leite da Parmalat e adorei. Chegando em casa, escrevo um e-mail a um pequeno grupo, contando aquela doce aventura. Título do e-mail? COISA DE GORDO.
Na semana seguinte outro relato. Depois mais outro, na média escrevi um por semana. Estamos completando o número 400 neste de hoje! Quer calcular? Dá uns sete anos e meio. Gente, tá na hora de botar isso no papel. Mesmo com a cara feia do Ibama. E antes que mude a grafia. Acho que ficará mais original escrito assim, como é hoje.

DANDO ÁGUA NA BOCA


O Professor Zeca fez outra das suas. Assou uma Tainha na brasa, nos convidou, mas não conseguimos prestigiar. Que dureza! Mas ele manda esta foto eum bilhete. Cuidado. Não babe no teclado. Silvano
Disse o Professor:
Salve! Salve! Amigos, boa noite, e tenham uma ótima semana. A tainha estava muito boa, colorida, apetitosa e caçada por todos. O filé de anjo também fez muito sucesso. A salada da Sonia é incrível. Sentimos suas faltas. Entendemos o motivo, não tem o que fazer. Fica para outra. Um forte abraço e fiquem com Deus. Zéca, Sonia e Cia.

23 outubro 2008

Coisa de Gordo - 399


399 – HOSPITAL ?
Essa coisa de que Hospital deve ter aspecto de, digamos assim, hospital, parece estar mudando. Dia desses nos vimos às voltas com uma internação, uma familiar teve que recolocar o ombro no lugar e foi levada ao Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre. Não entrarei aqui no mérito da especialização médica, na excelência da prática médica ali realizada. O propósito não é este.
Trago ao seus olhos a maravilha do ambiente naquele nosocômio. No primeiro dia da visita fomos até o quarto e após cumprimentar a paciente dei uma olhada pela janela. Impressionante!
Para quem tem a sorte de ficar ali internado, metade da cura vem daquela vista. O Moinhos é situado no alto de um morro. Da janela a gente via o Rio Guaíba (lago?), uma das paisagens mais belas do mundo. De quando em quando, um avião aterrissava e sua aproximação rumo ao aeroporto Salgado Filho podia ser testemunhada ali, daquela janela.
O indivíduo ali internado pode entregar-se ao deleite dessa paisagem, nutrindo-se da paz que isso proporciona. As ruas da capital gaúcha, o rio, os carros se movendo, os aviões chegando, tudo isso compõe um cenário indescritível de serenidade.
Mas o Hospital não fica apenas nisso. Os quartos têm TV com alguns bons canais da NET, O ambiente é claro, iluminado. No piso de entrada há um das mais deliciosas cafeterias de Porto Alegre, cafeteria e restaurante. No almoço eles servem um bufê imponente, com pratos levemente requintados.
Os acompanhantes podem se socorrer desse agradável ambiente para buscar lanches, guloseimas, refeições. Não bastasse isso tudo, a gente se serve e come de frente para um bosque, um conjunto de árvores frondosas que acompanham o declínio do terreno. Dá a impressão de que se está comendo num passeio campestre. Mais relaxante, impossível.
Tempos atrás a gente penava para conseguir estacionar ali, os caras então construíram um prédio de sete andares só para se estacionar.
E imagino que tem ainda o sinal de internet livre para os hóspedes.
Bom, em meio a isso tudo é mais difícil prestar atenção em gazes e curativos. Sim, a dor dói no doente, mas pelo menos ele tem um consolo ambiental muito bom.
Volto no tempo e lembro de anos atrás quando fomos visitar uma amiga, desta feita em outro hospital, o Divina Prividência. Em que pese seja construído num subúrbio, o “Divina” está erigido ao lado de uma montanha com floresta, o que faz com que de qualquer quarto dele e pessoa fique de frente para uma bela paisagem verde. E envolta por um canto ensurdecedor de pássaros. Outro exemplo do que estou falando.
Não se deseja hospital a ninguém. Mas na iminência disso acontecer, que bom que tais coisas estejam sendo oferecidas a nós mortais. Soro e penicilina são bons. Mas pôr-do-sol e gaivotas ajudam a que os efeitos sejam melhores.
Silvano – o impossível


23/10/2008

Quando a morte cruel der seu abraço...


Na premiação do Emmy, a exemplo do que acontece no Oscar, tem uma hora que eles dão a lista dos atores que morreram ao longo do ano. Puxa, o cara entrou na lista por pouco, afinal morreu no dia 09 de agosto de 2008. Trata-se de BERNIE MAC, aquele negão alto, cara de brabo, que atuou no ONZE HOMENS E UM SEGREDO, e mais tarde no delicioso A FAMÍLIA DA NOIVA, em que ele aterroriza o genro “branquelo” que ousou namorar sua filha. Pois é, o cara morreu. Que pena. Vai deixar saudades.
Silvano

Um filme : O BICHO VAI PEGAR


A gente sempre gosta de filmes de animação tipo Toy Story e Procurando Nemo. Este aqui, chamado O BICHO VAI PEGAR se encaixa nesta categoria. Você vai gostar. O que não me impede de sentar olhos sobre algumas coisinhas. Certos chavões. Senão, vejamos. A exemplo do Shrek, há um personagem grandalhão que já tem sua situação definida ( o Urso). Aí surge um outro personagem que no Shrek era o Burro e aqui neste é um Alce, um personagem histriônico, engraçado, mais frágil e que suplica para ser aceito. A partir disso se desenrolam ambos os filmes. História bonitinha, curta, bem costurada. Este filme vale a pena ser visto. Mas seu sorriso vai estar mais contido. Muito do que ali está você já viu. Nota: 7,0. Boa diversão. Silvano

Outro filme: INSTINTO SECRETO


Filme instigante, intrigante, quase fascinante. O Mr Brooks do título original é interpretado por Kevin Costner (veja só), numa atuação convincente. Casado, pai e esposo renomado, homem de negócios premiado, ele tem uma faceta secreta em sua vida. É um serial killer. Dedica-se a, minuciosamente, arquitetar e executar a morte de pessoas. Sobre isso o filme se desenrola. Há destaques dignos de nota. A personagem da Demy Moore, uma policial que parte em busca do assassino. E principalmente há o personagem interpretado por William Hurt, o “Marshal”. Para nós espíritas, ele é o que chamamos de Obsessor. Alguém que fica ali, à espreita, sugerindo o mal. Insistindo, insinuando, prejudicando. Para os cientistas, ele seria a personalidade dupla do serial killer. E para os sonhadores, ele seria apenas o produto da imaginação do matador. Seja como for, o cara é brilhante, assustador, soturno. O filme mostra o dilema moral do assassino que titubeia entre parar de matar ou persistir na senda do mal. E do início ao fim do filme ele balbucia a clássica frase de Reinhold Niebuhr : “Que Deus me dê serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar, coragem para mudar as que posso e sabedoria para distinguir entre elas.”
Imperdível. Filmaço. Nota: 9,0.
Silvano
Título Original: Mr. Brooks
Gênero: Drama
Tempo de Duração: 120 minutos
Ano de Lançamento (EUA): 2007
Direção: Bruce A. Evans
Kevin Costner (Earl Brooks)
Demi Moore (Detetive Tracy Atwood)
Dane Cook (Sr. Smith)
Willian Hurt (Marshall)
Marg Helgenberger (Emma Brooks)
Ruben Santiago-Hudson (Hawkins)

17 outubro 2008

Coisa de Gordo - 398


398 – O ESPORTE BRETÃO
Eu acho uma graça disso tudo...
O Campeonato Brasileiro de Futebol foi sacudido esta semana por uma aparente patifaria feita pelo Tribunal de Justiça Desportiva contra o time do Grêmio. Alguns jogadores gremistas foram a julgamento e acabaram sendo cruelmente punidos, um ato que gerou uma onda de indignação geral.
Os gremistas da imprensa local enlouqueceram em lágrimas e berros, até mesmo os colorados da mídia reconheceram que as punições foram excessivas. Segundo a teoria da conspiração haveria toda uma conjunção de esforços para fazer do Palmeiras o time campeão deste ano. Muito bem.
Até aí nada de novo!
Amigo(a), isso é o futebol. Certa feita discutia (amavelmente) com meu amigo Totonho alegando que o futebol é um esporte louco onde o vencedor nem sempre é o melhor, que havia muita injustiça, que era uma coisa muito louca. O Totonho que é um cara mais jovem, mas mais sábio do que eu, explicou-me pacientemente que esta era a magia do futebol. A imprevisibilidade. E que por isso atraía multidões. Ora, como conceber que o INTER, o meu time, entre em campo contra o Barcelona do Ronaldinho e ganhe o Campeonato Mundial? Isso é o futebol! Num detalhe, num lance extemporâneo, decide-se todo um torneio. E às vezes o melhor time fica com a prata. Lembro sempre das finais da NBA, o basquete americano, onde são realizados SETE jogos entre os dois melhores times da competição. Bom, o time que sair vencedor é incontestavelmente o melhor! Ora...são sete jogos!
Convencido que fui pelo Totonho, passei a ver o Futebol com esses olhos, os olhos da imprevisibilidade. E de fato ele se presta bem a isso. É uma verdadeira loteria. Entre outras coisas mais.
O futebol, no meu tosco modo de entender, é o esporte da truculência, da malandragem, da cafajestada, do carteiraço, dos arranjos e conchavos. Senão, vejamos...
Em que outro esporte existe a catimba? O goleiro e os jogadores ficam enrolando para que o tempo passe e acabe logo, sem o menor controle. E os argentinos se jogam na pista atlética. E os chilenos simulam foguetaço. Amigo(a), faz o futebol ser jogado com cronômetro parado e isso acabaria! Dois tempos de vinte e três minutos (que é o tempo médio jogado em cada metade de partida)! A bola parou? O relógio pára junto. Nunca mais haveria a catimba. Alguém lembra de colocar isso em prática? Não.
Em que outro esporte vicejam pessoas do quilate do Eurico Miranda? Do Nabi Abi Chedid? Do João Havelange? Gente como o Ricardo Teixeira? Talvez só dentro dos presídios! Trata-se de gente da pior espécie, mafiosos engravatados. Usurpadores.
Em que outro esporte o herói nacional é o Romário? Ou o Edmundo”assassino” Animal? Ou o Renato Portalupi? Ou o Éder? Semana passada morreu o protagonista da cena mais violenta do esporte mundial, o Chicão. Num jogo ele deu um “coice” na perna do adversário, causando fratura. O agredido foi saindo de campo de quatro, se arrastando, aí vem o Chicão e pisa na perna fraturada do cara!! O que aconteceu ao Chicão? Nada! Isso é o futebol! Ironicamente, anos depois, os dois acabaram jogando no mesmo time.
Em que outro esporte é proibido usar câmeras de TV, computadores, tecnologia, enfim, para dirimir dúvidas? Para os donos do futebol, não importa se a bola não entrou, importa é que o juiz deu gol! Dá para levar a sério?
Nesses últimos dias escutei nas rádios locais a choradeira dos gremistas sobre a barbárie cometida pelo tribunal. Engraçado. Quando o Cacalo era presidente do Grêmio e invadia campo para intimidar o juiz, isso era folclore, não era injustiça. Na famosa Batalha dos Aflitos, quando os jogadores do Grêmio impediram que se cobrasse uma penalidade, destruindo a marcação no campo, destratando o juiz, bagunçando o jogo, isso foi encarado como “folclórico”. Depois fizeram até um DVD sobre isso. Aí não falaram em injustiça. Não vieram chorar nos microfones das rádios. É disso que falo. O futebol é o esporte da truculência, da armação. Onde o Maradona faz gol de mão e vira mito. Onde o Pelé foi expulso de campo e, revoltado, expulsou ele próprio o juiz e continuou jogando.
Por isso o Brasil é o país do futebol! Aqui nascem e florescem os corruptos, os Zé Dirceu, os Roberto Jéferson, o Lulinha. Portanto, aqui só poderia ser mesmo o país do futebol. São forças que se atraem pela sintonia de valores.
Deram uma garfada no Grêmio para o Palmeiras ser campeão? E daí. Isto é o futebol.
Silvano – o impossível


DE QUALQUER FORMA...
...os advogados gremistas conseguiram um efeito suspensivo, prorrogando o julgamento do mérito. Certa feita, final do Brasileirão, Edmundo, o animal, foi expulso no penúltimo jogo. O Vasco foi lá, mexeu os pauzinho e ele, que estaria automaticamente de fora do jogo final, entrou em campo e se bem me lembro foi até campeão. Viram só? Isso é e sempre foi assim.


17/10/2008

10 outubro 2008

Coisa de Gordo - 397


397 – PESQUISAS ELEITORAIS
Passada essa onda toda da eleição municipal por este Brasil afora, podemos sentar olho sobre algumas coisas interessantes nesta área. Dia desses conversava com o Flavinho e ele me fez a pergunta que me deixou intrigado: - Para que servem as pesquisas eleitorais?
Ora, Flavinho, elas servem para....deixa eu ver...para que a gente....bom...deixa eu ver...sei lá.
de fato, não encontrei resposta a mim convincente. Ora, disse-me o Flavinho, se algum eleitor de Porto Alegre (o que não é o meu caso) quer votar na Vera Guasso, que ele vote na Vera Guasso! Ao ler as pesquisas nos jornais, o imaginário eleitor vai se sentir desestimulado, talvez queira fazer valer o VOTO ÚTIL, mude de voto em função das pesquisas.
Ah, mas o povo quer saber as tendências. Então, ó povo, vote em quem você quer e espere a apuração, aí teremos a tendência do eleitorado.
Impressionante, fui atingido pela idéia. Por que não proibir pesquisas eleitorais?
Vamos adiante: - A quem interessam as pesquisas eleitorais? Pois é, eu não sei bem. O mais perto que chego é que elas acabam drenando votos para os macacos velhos da política, as cartas marcadas desse jogo. Mas não me arriscaria a dizer que são uma espécie de conspiração. Acho que não vão a tanto. O que acontece é que as pesquisas foram chegando, chegando, se instalaram e acabam por ditar o resultado de muitas eleições.
E o pior é que a ladainha é sempre a mesma. O candidato que aparece na frente nas pesquisas alega que isso é o resultado do seu trabalho, da sua vida de honestidade e retidão, que o eleitor sabe votar muito bem, e que ele já esperava este resultado nas pesquisas. Sei, sei, me engana que eu gosto!
Do outro lado, o candidato que aparece atrás sempre acusa os institutos de pesquisa, que aquilo é uma farsa, que o partido dele realizou uma pesquisa particular que mostra o oposto, blá, blá, blá.
Para que se fazer pesquisa eleitoral?
Na última eleição para governador aqui no Rio Grande do Sul as pesquisas diziam que a luta era para ver quem iria para o segundo turno com o Governador Germano Rigotto, se era o Olívio Dutra ou a Ieda Crusius. Os institutos criaram esta expectativa e na hora do vamos ver o Germano acabou ficando de fora, passaram os dois que vinham correndo por fora. Tudo por causa das pesquisas. É bem verdade que neste caso elas nos prestaram um favor, mas reforço a idéia de que tiraram a espontaneidade do eleitor.
Para que se fazer pesquisa eleitoral?
Uma das raízes do problema é que os tais institutos de pesquisas são em geral ligados a conglomerados de comunicação, que faturam alto com elas. E que por certo esperneariam com uma eventual proibição. Ademais, o que aqueles comentaristas políticos todos ficariam fazendo até o dia da eleição, se não se fizerem as pesquisas? Nada, perderiam seus empregos. Lembra um pouco os caras do futebol que em dia de final entrevistam até a namorada do porteiro do prédio do massagista do Palmeiras. Pois as pesquisas dão combustível aos analistas políticos que vão, assim, moldado a cabeça do eleitor.
Enfim, para que se fazer pesquisa eleitoral?
Eu não sabia disso, mas o Flavinho me fez descobrir que sou contra. Azar o meu!
Silvano – o impossível


LEITOR MANDA MISSIVA INTERESSANTE
Ola Dr. Silvano, entrei em seu Blog e li muito rapidamente. Gostei do nome de seu blog e do conteúdo de seu site. Meu nome é Carlos e trabalho desde 1998 na internet o que me fez fazer parte do time dos gordos. Inclusive, nos últimos 6 anos engordei um quilo por mês, passando de pré-obeso para todas as categorias que a OMS criou e hoje me encontro na categoria máxima. E até brinco que eu não tenho barriga e sim recordações.... recordações de pizza churrascos cervejas... enfim, só lembranças boa. Só que é tanta coisa boa que ficou enorme a minha recordação (barriga). Mas resolvi escrever para o “Doc” não para falar como entrei no clube dos gordos e sim para contar que em meio às andanças de negócios na internet nos últimos quatro anos desenvolvi comércio eletrônico de produtos naturais e consulta on line com nutricionistas. Por causa disso acabei tendo contato com um numero enorme de gordos. Resumindo.... virei um gordo de peso e andei conversando com milhares de gordo e recentemente resolvi pensar a respeito....
Fato real, a obesidade é um problema, mas também...tantas coisas não são? O que será que mata mais obesidade ou stress vindo do trabalho e de um mundo competitivo? Enfim, concordo que ser gordo tem os seus problemas, mas também não é tudo isso. Para o senhor ter uma idéia, estou pensando em colocar psicólogos na minha empresa, além dos nutricionistas. O que aparece de gordo com baixa estima... Tudo por uma tremenda imposição de uma pseudo-beleza do mercado... E vamos e convenhamos, se uma pessoa é escolhida pela beleza física, com o passar dos anos essa pessoa irá perder a beleza. Agora, se for pela inteligência, caráter, etc, essas coisas com os anos só vão melhorar.
Por quê do meu contato? Eu estava pensando em montar um site ou portal a favor dos gordos. Não algo como existe hoje na Europa, fazendo a apologia do legal e estiloso da anorexia (sites assim estão tendo lá um crescimento avassalador que já está quase virando questão de saúde publica). Queria sim mostrar que gordo também é gente. E em geral gente muito boa, pois antes dessa ditadura de corpo perfeito, ser gordo sempre foi sinônimo de alegria e de ser uma pessoa de bem com a vida. Sempre houve ícones como Papai Noel, Rei Momo. Dona Benta, Tia Anastácia...enfim...sempre figuras boas e alegres. Hoje quando em um anúncio de empregos pedem boa aparência, não é a tanto a cor da pele que importa pois garanto que uma Naomi Campbel arrumaria um emprego por aparência na hora, mas uma Wilza Carla nunca.
Aí tem coisas gozadas. Negros têm cotas em faculdades, deficientes físicos têm cotas em empresas, idosos têm caixas e filas preferenciais. E no caso dos idosos teve ainda aqueles que usaram esse beneficio para comprar ingressos do show da Madonna para repassar aos cambistas.... Já os gordos.. Tem tanto preconceito quanto os outros ou até mais. Portanto, na minha cabeça, ou o povo pára de encher o saco dos gordos, de meter o pau nos gordos, e deixa cada um ser como gosta, ou então que nos dê umas vantagenzinhas..... Afinal “no inferno abrace o capeta”.
Brincadeiras à parte, gostaria de usar a mídia da internet para ser uma voz contra essa ditadura do corpo perfeito, e como já disse Nelson Rodrigues, toda unanimidade é burra. Minha pergunta é se o senhor acha boa minha idéia de ter um site não falando bem, mas sim mostrando que se pode ser gordo e ser totalmente feliz. Tanto com o próprio corpo quanto com a cabeça. Penso que na vida temos que buscar a amizade, a sabedoria, o encontro consigo mesmo, e não uma busca patética por um corpo perfeito. Será que sorvete, pizza e “churras” é tudo veneno? Caminhadas?...Eu pago aqui em Piracicaba um guri prá ele andar no meu lugar.
Nós interagimos com o mundo através dos sentidos e a comida mexe com todos eles, o tato, a visão, o paladar e o aroma. E após estar satisfeito, com a audição vinda de um belo e sonoro arroto. Portanto, xô com as dietas. E não tenha vergonha de ser feliz.
É evidente que minha idéia deste site tem um fundo monetário que seria vender camisetas e coisas do gênero para custear o projeto. E tem mais. Sabe que nos últimos seis anos nos quais engordei muito me mudei para o interior e roupa prá gordo em cidades pequenas é difícil. Daí pensei em trocar os produtos naturais de emagrecimento para roupas de gordo (se não pode com eles, junte-se a eles). Me desculpe pelo meu português horrível e por escrever um e-mail tão extenso e confuso. É coisa de empresário pontocom... Abraços.
Carlos Costa – New Solutions Comercial - Piracicaba


http://www.newsolutions.com.br/
*o site ainda está em construção aí neste endereço, mas aguarde que um dia abrirá.


RESPONDENDO AO TIJOLAÇO DO LEITOR
Carlos, me chama de TU ou VOCÊ, por favor. Obrigado pelo contato. A resposta à tua pergunta é a existência do meu BLOG, que justamente vem tentar aliar as coisas atinentes ao excesso de peso com uma boa visão da vida! Sim, todo gordo quer emagrecer, e me incluo nesta categoria, o que não me impede de rir um pouco durante a caminhada. Que eu não sei se vai ter fim. Muito obrigado pelo contato. Estamos esperando que o site fique pronto logo. Um abração. SILVANO
PS: o desenho ali ao lado do texto é meramente ilustrativo, não foi enviado pelo leitor.


10/10/2008

06 outubro 2008

Escrutínio

Recebo informações urgentes acerca das duas candidaturas em Torres-RS. No primeiro caso, o do GIMI, o cara das receitas culinárias no Santinho, ELE FOI ELEITO com 618 votos ( 6º mais votado). Parabéns a ele, a estratégia das receitas deu certo.
No segundo caso, o do SILVANO DA FARMÁCIA, o cara ficou de fora. Deve ser a maldição do nome, coitado. Fez 262 votos e vai ter que esperar para daqui a quatro anos.
Obrigado aos leitores Nelson e Liliam que vasculharam os dados.
Silvano - mas que coisa

Silvano Vereador !!??



Passado o furor de Eleição, um amigo me manda esta foto tirada na cidade de Torres-RS, com algumas revelações. Primeira revelação: - eu tenho uma Farmácia. Ou pelo menos trabalho numa. Segunda revelação: - eu sou Tucano! Vejam só. Terceira revelação: - Fui candidato a vereador!

Após tantas revelações, fica uma dúvida......terei sido eleito?

Silvano - sempre aprontando

02 outubro 2008

Coisa de Gordo - 396



396 – CANDIDATO GORDO
Essas eleições trazem coisas as mais interessantes, engraçadas, assustadoras ou até mesmo inusitadas aos nossos olhos. A gente vê cada coisa. Escuta cada coisa. Fica sabendo de cada coisa....
Não moro na cidade de Torres, mas tenho amigos de lá. Esta, que é considerada a mais bela praia gaúcha, possui na sua topografia um quê de litoral catarinense, rochedos, paisagens, belas fotos. Mas é gaúcha. Por esta época, os eleitores de Torres vêm recebendo toda a propaganda eleitoral esperada para este momento. E os amigos que citei me propiciaram conhecer um candidato voltado ao público GORDO.
O santinho do cara é por demais inovador. Ao invés de colocar ali o seu currículo as suas promessas, a sua ficha policial, o candidato GIMI colocou uma série de RECEITAS CULINÁRIAS!
Veja que supimpa, que inédito, que inventivo. Sei, sei, por este Brasil afora já deve ter aparecido de tudo mas que EU tenha visto esta é a primeira vez.
Os amigos de Torres afirmaram que o cara é gordo, sim, inclusive disseram que ele é maior do que eu! Coitado! Mas não se entristeça o candidato pela comparação. Olhando a foto no santinho constato que o cara é bastante parecido comigo (só que ele é claro), e parece ser mais bonito que eu. O que não é muito difícil. Eu não sou loiro e nem tenho olhos azuis. E como diria o João Bosco..“não sou candidato a nada, meu negócio é batucada..”. Mas o cara é ótimo. Olhe só.
As receitas são caseiras, identificando as fontes culinárias. Assim, de um lado temos:
- BOLO AMERICANO – da Mimi
- BOLINHAS DE QUEIJO – da Leninha
- BOLO DE CAFÉ COM BANANA – da Vó Inês
- PUDIM DE CLARA – da Dona Lídia
- BOLINHOS DE AIPIM – do Restaurante Tiamélia
- PÃO DE QUEIJO TRADICIONAL – da Fátima






Achou pouco? Calma, este é só um lado do santinho. Do outro lado a exposição continua:
- CASADINHOS DE BERINJELA – da Luciléia
- SOBREMESA CREMOSA – da Dona Elisa
- BISCOITOS AMANTEIGADOS DE LARANJA – da Camilinha
As receitas são completas, detalhando ingredientes e modo de preparo. Em momento algum ele fala em obras viárias, construção de postos de saúde, vagas em creches ou passagem escolar. O santinho do cara só tem isso: - COMIDA!
A considerar que a população brasileira está engordando a olhos vistos, o cara atirou mais do que certo. Atirou em mais da metade da população votante. Dê-lhe GIMI, este seu santinho é um caso clássico de Coisa de Gordo, de tal sorte que não poderia me furtar de aqui colocá-lo.
Fico até curioso para saber do resultado da eleição. Semana que vem, se souber algo, conto a você.
Macaco velho que sou, tomei o cuidado de omitir das fotos o partido do cara e outras coisas. Sim, as patrulhas ideológicas andam à solta e não quero perder sua simpatia por mero detalhe partidário. Até porque, como disse antes, não voto no município de Torres.
Mas estou torcendo pelo cara.
Silvano – o impossível



MINHA AMIGA SÔNIA...
...sempre mata a pau. Dia desses jantamos com ela e o marido (o professor Zeca) ao que ela me prometeu uma bandeja de SUSHIS. Amigo(a), comigo é assim, promete comida..eu apareço lá para buscar. Na noite aprazada, dei uma passada lá na casa deles e busquei a preciosidade. DELICIOSOS! Verdadeiras obras de arte. Dê uma olhada na foto e perceba que dá até pena de comer um troço desses. Mas....eu comi! Imperdível, imperdível!
Você leitor de Santo Antônio e arredores, não perca tempo. Ligue e faça a sua encomenda. Negocie o preço e saiba que estará levando comida da melhor espécie. Telefone? (51) 36626666.


02/10/2008

25 setembro 2008

Coisa de Gordo - 395



395 – QUE BARULHO É ESSE?
Mistérios da meia-noite. Ou do meio da manhã. Quem primeiro escutou foi a Sra Kátia. Eram batidas, pancadas, um som seco contra uma parede. Ou um vidro. O que seria aquilo?
De um dia para o outro, ela relatou-me que escutava umas pancadas, um som que ainda não conseguia definir. No início não dei muita importância. Deve ser a dilatação dos materiais. A mudança de estação. Sei lá. Mas ela insistiu que era algo estranho.
Noutro dia, ao amanhecer, o ruído voltou. E desta vez eu também o escutei. Batidas, pancadas, um som seco de algo batendo contra outro algo. Mas de onde vinha aquilo?
Perambulei rapidamente pelos recantos da casa, mas sempre que me aproximava o ruído cessava. O mistério continuava. O que era aquilo?
Lembrei dos primórdios do Espiritismo, quando as Irmãs Fox deram vazão a uma torrente de manifestações físicas em seu pequeno barraco. Eram pancadas, ruídos, aparentemente sem uma causa aparente. E deu no que deu. Sacudi a cabeça por ter relacionado as duas coisas. Mas o mistério persistia.
Horas se passaram, já houvera vasculhado o derredor da casa, a vizinhança, o Google Earth e nada.
Novamente a Sra Kátia veio trazer luzes sobre o mistério. Após uma breve análise do caso, após curtas comparações entre coisas e troços, por fim ela matou a charada. Não, não eram almas de outro mundo. Não era a dilatação dos materiais diante do sol. Sequer eram ruídos dos vizinhos. Tudo estava na ação de um, apenas um, passarinho.
Acostumada a cuidar das coisas do pátio, ela familiarizou-se com um Sabiá que freqüentemente aterrissa por ali. Era antes um pequeno pássaro, com o passar das semanas e por se alimentar de minhocas e formigas que nossa casa lhe fornece, o pequeno ser alado foi ficando não apenas grande, mas de fato um pouco gordo. Sim, ela já houvera me chamado a atenção para aquele Sabiá, inclusive se referira a ele como “o nosso Sabiá”. Engraçado que o bicho não sabia disso. Ela voa o dia todo livre pelas redondezas, e numa certa hora da manhã aterrissa em nosso pátio para o lanche da manhã. Pois essa assiduidade fez dele o “nosso Sabiá”.
Pois justamente este singelo animal é o causador dos ruídos. Numa certa hora da manhã, o sol faz um certo ângulo com uma de nossas janelas, tornando o vidro dela um perfeito espelho. Justamente nesta hora o bicho vem comer por ali. Ao ver-se no reflexo do vidro, ele julga estar diante de outro Sabiá, o que é inadmissível para o seu domínio territorial. Assim, ele senta num galho próximo, enxerga-se no vidro e, diariamente, parte para o ataque. A si mesmo!
Imagino ele voando lá pelo alto, curtindo o amanhecer, a movimentação da cidade. Aí ele vem dar uma curingada no meu pátio, mas como o sol ainda não se posicionou ele não enxerga nada. Meio da manhã chegando, ele volta ao seu terreiro e dá de cara com aquele “intruso”. A partir daí ele fica enlouquecido e investindo contra o vidro. Que bicho burro. Bom de visão, mas burro.
Enfim, desfez-se o mistério. Pela perspicácia da Sra Kátia que desvendou o segredo.
Nossa casa não estava sendo alvo de manifestações transdimensionais. Não era alvo de meteoros intergalácticos. Sequer era uma estação de recepção de Código Morse. Tudo, tudo aquilo era obra de um Sabiá. Um gordo Sabiá. Que insiste em investir contra o nosso vidro. Água mole em pedra dura... Cadê o vidraceiro que tava por aqui??..
Silvano – o impossível




IMAGEM DO BICHO
Ei-lo em pleno ataque. Terei que ver um psicólogo para esse Sabiá. Ele anda muito auto-destrutivo. Tendências suicidas.. quem sabe uma fluoxetina ao entardecer...











OUTRA IMAGEM DO BICHO
Perceba que ele está meio gordo, seu IMC deve estar acima de 30.


25/09/2008