21 junho 2007

Coisa de Gordo - 329


329 – O PRINCÍPIO DA GRADUA-LIDADE
A vida é um eterno voltar, já cantava a Alcione. Pois é. A gente vai e vem. Nos últimos vinte anos sempre que chamado a me pronunciar sobre CORRER, teci severas críticas. Correr? Tá louco! O negócio é caminhar. E por aí afora eu tecia considerações condenando a corrida e elogiando o caminhar. Passam-se os anos. Os quilos a mais continuam ali, afixados ao corpo, sem menção de quererem sair. O que fazer?
Por uma suprema ironia, passamos a freqüentar uma academia, e digo ironia porque um gordo em academia é quase um contra-senso. Ou nem tanto. Pois é, cabeça baixa, ânimo caído, toalhinha no ombro, lá fomos de volta ao ambiente barulhento de uma academia. Fui fazer esteira, adepto que sou da caminhada. E aí uma coisa começou a acontecer. Comecei a gostar de ir lá caminhar, inclusive por vezes até me estendi a algum aparelho de musculação, veja só. Fazer esteira em casa é um tédio, mas num local assim, sei lá, é mais atrativo, menos monótono.
Aí entrou o princípio da gradualidade. Aquele que diz que é devagar, devagarinho (como canta o Martinho da Vila) que a gente consegue as coisas. Por uma regra da instituição, um cartaz avisa que é para usar a esteira por “apenas” trinta minutos, para que outros freqüentadores possam também usar. Lá nos fomos. Trinta minutos.
Às vezes olhava para uma esteira ao lado e via alguém correndo na sua esteira. Como é que pode? – pensava eu. Correr!!! Que horror!! Até que me ocorreu uma coisa. Peraí, seu eu caminho trinta minutos, quem sabe eu consiga caminhar vinte e nove e tento dar uma corridinha no minuto final. Lá me fui.
Fazia mais de vinte anos que não corria. Certos músculos e certas áreas do pulmão estavam adormecidos desde então. A máquina estava emperrada! Mas corri por um minuto.
Amigo(a), foi fantástico. Na caminhada (que eu continuo elegendo como o exercício mais completo e agradável) a perda calórica é uma. Correndo, a gente sente o suor, o calor emanando, a gordura queimando, a perda é outra. Muda, muda enfim o ritmo da atividade aeróbica. Olha, parecia guri com autorama novo. Veja só, então correr é assim – pensava eu sobre o que tinha feito.
Uns dias depois, foi inevitável. Caminhei vinte e oito e corri DOIS minutos. Para você isso deve ser uma bobagem, uma brincadeira, imagine só, correr DOIS minutos. Pois do alto do meu peso lhe afirmo que para mim é complicado, difícil, cada minuto conquistado é com muito suor e esforço.
Inspirado no Martinho da Vila, devagar, devagarinho, venho ampliando a corrida. E cada vez me sinto melhor, mais saudável, mais ativo. O Augusto, lá do plano espiritual, deve estar me lendo e dando gargalhadas, ele que era um corredor de rústicas e maratonas. O cara corria dez quilômetros e me vê festejando cada minuto corrido.
Enfim, estou correndo quase DEZ MINUTOS na esteira, suando, sofrendo, queimando calorias. E creio que este seja o meu limite. Até porque, as pernas e o coração do “véio” têm o seu limite. Eis aí uma coisa inusitada. Eu, de novo, correndo. Essa vida dá voltas....
Silvano – musical


BOCA x GRÊMIO
De tanto lançarem mão do milagre, acabaram gastando ele. Era milagre contra o Caxias, milagre contra o Santos, milagre...milagre...milagre. Aí a Santa das causas impossíveis cansou e o Boca “abocanhou”. Cinco a zero na final. Que lavada!


FRASE INFAME
Na Taça Libertadores da América, ri melhor quem ri....quelme.– enviada por Leonardo


AINDA SOBRE A ESTEIRA
Não tem coisa mais irritante do que o cronômetro da esteira, quando a gente a está usando. A gente fica ali, se esforçando, e os olhos GRUDAM no relógio. E o tempo não passa. O que tenho feito? Sabe a toalhinha? Coloco ela sobre o painel e assim não há como ver o relógio. Só que, depois de muito suar, levanto a toalha e passaram-se apenas dois minutos. Que diabos.


14/06/2007

1 comentários:

Liliam disse...

Pois é Silvano.....no início de fevereiro, lá estava eu mais uma vez na sala de espera de um endocrino, esperando pra dar de cara com o "carrasco" que haveria de me ajudar a emagrecer...decida, corajosa, cheia de vontade! Caminhei por dois longos meses alí , na nossa Porto Emerim.....e veio então o abril....a Páscoa, os chocolates......os 6 kl q eu tinha já emagrecido com tanto sacrifício....nem sei por onde andam......abandonei o médico....por medo do "pito" que ele com certeza me passaria. Esse friosinho...me desencorajou das caminhadas, a força de vontade foi pro espaço, e tenho me deliciado nas maravilhas do inverno...sopa, pinhão...canjica.............ai, ai, ai, é difícil prum gordo admitir isso!!!......Mas acho que minhas caminhadas, só mesmo depois que o inverno acabar!!!!!!