28 fevereiro 2007

Coisa de Gordo - 313


313 – Que alívio!
Nessa paranóia que tem tomado conta do mundo acerca do aquecimento global, o noticiário e as conversas caem freqüentemente no mesmo tema, sempre aludindo ao AQUECIMENTO GLOBAL! O povo só se deu conta agora, eu sei que a coisa tá esquentando faz tempo! O calor é cada vez maior, os dias de abafamento, temperatura alta e incômodo são cada vez mais comuns.
Em meu meio de convívio sempre fui tido por ser calorento, o que não é de surpreender! Gordos, posto que mais forrados, sentem mais calor que magros! Mas mesmo assim, precocemente venho identificando o aquecimento do planeta, independente do fato de não poder ias até as calotas polares para ver se elas estão derretendo. Aliás, faz tempo que lancei uma teoria, a de que devemos cada vez mais gastar grana e investir em ar condicionado, piscina, cloro, algicida e ventiladores de teto. E cada vez menos em lareiras, estufas, aquecedores, lenha e nó de pinho. Pelo menos aqui onde nós moramos, ao redor do paralelo 30, a coisa tá ficando assim. Quente.
Diante disso, vendo o planeta transformar-se numa bola de fogo, jogando a população global num literal inferno, já me conformara em morrer com calor, e condoído do quente futuro que esperaria nossos filhos e netos. Até que surgiu uma opinião dissonante, uma alternativa.
Lendo matéria assaz interessante no Jornal NH (do Grupo Sinos), do dia 15 de fevereiro de 2007, vi um depoimento impressionante do senhor Eugenio Hackbart, Meteorologista, afirmando que “o clima do mundo voltará a esfriar”. Ele é meteorologista da Metsul, uma empresa de São Leopoldo-RS. Segundo ele isso que está acontecendo é como um ciclo que se renova a cada três décadas. Olhando a temperatura do século 20, Hackbart observou que a temperatura do planeta é influenciada pelo maior oceano, o Pacífico, que tem ciclos de 20 a 30 anos de aquecimento e esfriamento. O meteorologista comenta que entre 1940 e 1977 o planeta passou por um período de forte resfriamento. Contrário a isso, entre 1920 e 1940 houve aquecimento, o mesmo se dando a partir de 1977, ciclo que estaria se encerrando agora.
Para comprovar o que diz, ele dá Pistas do Passado:
1) Ciclones extra tropicais sempre atingiram o Sul do Brasil e só não foram identificados no passado porque não havia meios tecnológicos.
2) A década de 30 teve mais furacões que os último dez anos no atlântico norte.
3) As geleiras começaram a derreter antes mesmo do aumento expressivo dos níveis de dióxido de carbono.
4) A cobertura de gelo na Antártida aumenta, apesar da redução no Ártico.
5) A temperatura do planeta caiu entre os anos 50 e 80, apesar dos níveis de dióxido de carbono.
6) O aquecimento do planeta teve início antes mesmo da invenção do automóvel e quando a industrialização não havia ocorrido na maioria dos países.
7) Os recordes de calor no Rio Grande do Sul são nos anos de 1917 e 1943 e o recorde na América do Sul é de 1905 na Argentina.
8) A atividade solar está no maior nível desde a Idade Média, que foi quando o planeta viveu um período de aquecimento semelhante ao de agora.
Chega, chega, já estou convencido. Portanto, nada de desespero. O calor, sabe Deus quando, vai ceder um pouquinho! E ainda teremos que fazer fogo na lareiras e subir a Gramado para tomar Chocolate Quente! Que alívio!
Silvano – com o ar condicionado ligado

PALAVRAS DOS LEITORES

Hoje decidi parar com tudo para me atualizar no blogger COISA DE GORDO. Está fantásticvo, muito bonito mesmo ... além da gula que sempre deu, o bom gosto está imperando, com chamadas criativas e não desprezando o histórico de tantas colunas maravilhosas. Parabéns. – Rosalva – de Porto Alegre

Isso é coisa que se faça com quem está de dieta???? Hehehehe....Puxa vida...fiquei realmente com vontade de experimentar o tal camarão na chapa....hummmmmmmm. Liliam – do litoral norte gaúcho – vendo foto dos camarões

Caro Silvano e família, fiquei bestificado com a foto dos camarões, mas faltou um detalhe, que acho fundamental... o tempero! Como é temperado este camarão, ou qualquer outro? Tudo que é receita só fala em sal e limão a gosto, eventualmente pimenta, mas qual pimenta? E nunca fica igual ao do restaurante. Por favor, aceito sugestões, bem como para peixes. Troco receitas, como por exemplo, como temperar galinha ou porco... abraços. James – de Porto Alegre

Salgadí­ssimo amigo Silvano: Também tenho me aventurado pelas panelas, e o Arroz com Lingüiça - famoso "arroz de china pobre" - que no teu caso tava caprichado, realmente não combina com sal. E nem foi o sal grosso. Aquele pouquinho que tu tinhas no pote já foi prá lá de suficiente. Algumas vezes, nem é necessário. Mas tua receita parecia deliciosa!!! Abraços e um bom final de semana. Cássia – do litoral norte gaúcho – sobre o arroz salgado que preparei

Estivemos em Tramandaí na segunda de carnaval para o molha pé anual da minha mãe e fomos no Restaurante Guimarães. Aprovou, mas fomos de rodízio, pois só assim garantimos a saciedade da veneranda senhora. O camarão ao bafo e o filé a milanesa estavam maravilhosos. Quanto ao sal (*comentando a salgada que dei no arroz) eu, praticamente, só uso sal grosso na cozinha. Uso para o arroz, feijão, molhos, etc. Sal fino só nos bifes e naquilo que não dá para usar o sal grosso. Quanto aos embutidos, eles são problemáticos, eu os cozinho na água primeiro para tirar o excesso de gordura e sal, bem como os defumados, e vou provando aos poucos, pois eles sempre soltam um pouco mais de sal. Já o arroz branco e sopas, com o sal grosso, eu já nem provo mais, pois já conheço a quantidade. Abraços. James – de Porto Alegre – de novo

O TEMPERO DO CAMARÃO
Sim, James, era apenas sal e limão!

01/03/2007






1 comentários:

Imigrante disse...

Rock 'n' roll will never die!
http://imigrante.blogspot.com