02 outubro 2007

Mais impostos....



Não bastasse a sede infinita do governo Lula pelo nosso dinheiro, nosso trabalho, nosso suor, vem agora a Exma Governadora do Rio Grande do Sul apresentar um PACOTE de AUMENTO DE IMPOSTOS! Puxa, e dizer que na campanha ela prometeu que não faria isso! O pacote está lançado, tem que ver o que os deputados gaúchos farão, fique atento!

Esta é a velha receita da política neste país. Os incompetentes fracassam e lançam mão do aumento de impostos. O que houve foi uma MENTIRA DESLAVADA, uma afronta ao povo gaúcho. A sra Ieda Crusius mancha a história gaúcha com tal atitude. Outros já fizeram isso antes? E quem foi que disse que admiramos Olívios, Britos e Amarais de Souza? Tudo vendilhões! Só o que sabem é aimentar impostos. Neste caso "não sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra". Fique atento. Não vote em deputado que aprovar aumento de imposto! Não reeleja esses vendilhões que estão interessados em entupir a máquina pública com os seus cupinxas. Mande esses vadios para casa na próxima eleição. Como dizia aquele adesivo de carro: FAÇA UM POLÍTICO TRABALHAR - NÃO O REELEJA!

Silvano- de saco cheio dessa imoralidade.

3 comentários:

Caletti disse...

Mas enquanto esta turma da Assembléia Legislativa e outros ascensoristas e seus auxiliares, ganhando o que ganham mamando o que mamam ficaremos nestas "inhaca". A chance tivemos de votar nulo, mas o povo é idiota. A chance tivemos de protestar, mas o povo é idiota. Então o que resta, é torcer que a “Governadora Jeitinho NOVO de roubar”, e seus afiliados e comparsas, aumente mais os Impostos. Acho que o ICMS tinha que ser de 100%, que o pedágio tinha que ser de 25 reais por eixo, que o IPVA fosse de 30%. Torço a cada dia que aumente a quantidade de miseráveis no mundo, que os ricos fiquem cada dia mais ricos e que os políticos cada dia mais sem vergonha, dai pode ser que alguém pegue em armas novamente e mate esta gente toda. O que falta no Brasil, é o que tem noutros paises, terrorismo. Pois se matássemos cada político roubasse na televisão, se matássemos cada usuário de droga, seja ele quem for, na televisão, algo mudaria neste paisinho medíocre.
E meu recado para cada um destes canalhas, que o povinho idiota votou, é que seu dia de penúria pode tardar mas não passarão sem ele. A minha indignação começa aqui por nossa cidade que cada vez que o partidinho aquele assume nossa cidade some. Estou muito, mas muito indignado com toda esta gente, e digo mais, nenhum presta. Morte aos políticos e seus seguidores. CALETTI

Anônimo disse...

Olá Silvano!
Realmente não há como não nos indignarmos com o possível pacote de impostos pretendido pelo governo estadual. A indignação é maior ainda não pela promessa descumprida (a realidade nos mostra que ao assumirem o governo muitos políticos esquecem as promessas de campanha e, principalmente, os ideais que sempre pregaram e lutaram; logo, seria ingenuidade pensarmos que com a Yeda a história seria diferente), mas simplesmente porque o aumento de impostos - diga-se ICMS - irá atingir, mais uma vez, itens que não são mais supérfluos para a população. É o caso, p.ex., da gasolina e da energia elétrica. E o mais perverso é que para obter a aprovação do projeto, o governo acena com a possibilidade de devolução de parte do imposto cobrado, inclusive em dinheiro, desde que o consumidor solicite a respectiva nota fiscal. É a edição apurada de programas antigos que permitiam a troca de notas por cupons para concorrer a sorteio de prêmios. Quem não lembra deles!!?? A justificativa apresentada pelo governo para se valer dessa medida é que ela reduziria a sonegação de impostos, o que se daria com a exigência de nota fiscal por parte do consumidores. Ora, se há sonegação - e isso é fato incontroverso - cumpre ao governo fiscalizá-la e não simplesmente transferir ao contribuinte esta tarefa. Aliás, nas últimas décadas todos os governos, sem exceção (federal, estadual e municipal), tem se utilizado deste tipo de expediente como forma de diminuir a contratação de fiscais (p. ex.: no Judiciário trabalhista os juízes estão se transformando em cobradores de impostos e contribuições previdenciárias). Para lembrar, apesar do crescimento significativo da população, o Brasil possui atualmente menos fiscais do que há vinte anos. Mas a grande verdade disso tudo é que a população está cansada do aumento de impostos, ela não quer prêmios, não quer ter de solicitar nota fiscal de toda compra que fizer e fornecer o número de seu CPF para obter um mísero desconto. (Tente imaginar um dia de movimento num supermercado e o caixa tendo que atender a mais esta formalidade. Já não basta a apresentação da identidade para o uso do cartão bancário?!) O que o povo quer é apenas um pouco mais de dignidade! E dignidade significa também menos impostos!! Por outro lado, não dá para deixar de pensar que, em parte, também somos culpados por tudo isso que está acontecendo, e falo não pelo fato de os políticos estarem onde estão por escolha nossa. Digo porque salvo uma indignação aqui, outra ali, acabamos atropelados pelos fatos e os pacotes econômicos culminam por ser aprovados e, com o passar do tempo, acabamos nos esquecendo deles. A verdade é que temos sido passivos demais!!! Em países mais desenvolvidos, um pacote dessa envergadura seria motivo para ver o povo protestando na rua (taí uma coisa que cada dia me deixa mais preocupado: a visível perda de capacidade do brasileiro de protestar). Se não temos tempo, organização, coragem ou o que quer que seja para irmos para as ruas, lembro que hoje dispomos de meios que podem se tornar eficazes não apenas para mostrar a nossa indignação, mas como forma de barrarmos essa estupidez que é o aumento de impostos: falo da internet. No site da Assembléia Legislativa www.al.rs.gov.br, é possível encontrar o nome e o e-mail de todos os Deputados Estaduais. Fica aqui a sugestão, e a minha parte já estou fazendo, para enviarmos o maior número de correspondências para eles, protestando contra o aumento pretendido pelo governo e lembrando-os que a aprovação da medida certamente terá conseqüências nas próximas eleições.
Um abraço.
Flávio (também indignado!)

Thiago disse...

É isso aí Flávio e Silvano! Disseram tudo! Esse assunto me lembrou uma frase do Ronald Reagan que li em uma coluna esses dias: "O governo é como um bebê: Um canal alimentício com grande apetite num extremo e nenhum sentido de responsabilidade no outro".
Abraço, Thiago